Adônis

Filho de uma relação incestuosa e intrigante, a lenda de Adônis vem da Síria.

A rainha tinha uma filha chamada Mirra, que era tão bela que foi proclamada mais bela que a própria deusa da beleza. Decidida a vingar-se, Afrodite fez com que o Mirra se apaixonasse pelo próprio pai, e tramando um encontro, entra sem ser vista no quarto do pai e tem relações com ele. Irado, ao descobrir a traição da filha, o rei planeja condená-la à morte, mas antes disso, Mirra foge e perde-se pelo mundo.

Com pena da jovem, os deuses resolvem transformá-la em uma árvore, cujas gotas são as próprias lágrimas de Mirra, mas o que não se sabia era que a jovem tinha engravidado do pai. Nove meses depois, a árvore de Mirra se abriu e dela saiu um menino de beleza extraordinária, que foi criado pelas ninfas e recebeu o nome de Adônis.

Já jovem, Adônis chama a atenção de Afrodite, e esta apaixona-se perdidamente por ele (muitos dizem ser a vingança de Mirra). Os dois atraem-se e ficam juntos, se tornando inseparáveis, despertando a ira de Ares, que era apaixonado por Afrodite.

Certo dia, saindo pela mata para caçar, Adônis encontra um grande javali, colocado propositalmente por Ares. Adônis começa uma grande luta contra o animal e o atinge com seu arco. Ferido, o animal ruge de dor e girando o corpo, atinge o jovem e lhe desfere um golpe mortal.

Afrodite, de longe, escuta os gritos do amado, mas quando chega é tarde demais. O sangue de Adônis tinge de vermelho as rosas brancas que ali haviam que se transformam em rosas vermelhas. Afrodite o enterrou ali mesmo, após chorar todas as lágrimas de dor, pois não podia suportar ficar longe do seu amado.

Ao chegar ao Hades, Adônis ainda era um jovem muito belo e, assim, desperta o amor em Perséfone, rainha do mundo inferior. Afrodite, muito irritada com aquela situação, vai a Zeus e lhe pede ajuda, e assim o deus dos deuses faz com que Adônis passasse um terço do ano no Hades, com Perséfone, e o terço restante ele escolheria onde passar, e ele escolheu passar com a Afrodite.

Assim, surge o simbolo da vegetação que morre no inverno (descendo ao mundo inferior, permanecendo com Perséfone) e regressando à Terra na primavera (para ficar com Afrodite).

O mito de Adônis se espalhou e foi cultuado em todo o oriente, Grécia e ilhas do Mediterrâneo.

Adônis é um deus que congrega em si elementos de várias origens, mostrando como a religiosidade grega se tornou difundida pela humanidade.

Na Psicologia, Adônis foi usado para nomear um complexo, onde o desejo dos jovens e adultos do sexo masculino por manter o corpo perfeito se torna uma obsessão.

Fonte:
Hacquard, Georges, Dicionário da Mitologia Grega e Romana.
A.S.Franchini, Carmen Seganfredo, As 100 Melhores Histórias da Mitologia, Editora L&MP. ISBN 85-254-1316-x

Arquivado em: Mitologia Grega