Gado Aberdeen-Angus

Por Débora Carvalho Meldau
Esta raça é originária da Escócia nos condados de Aberdeen e de Angus. É uma raça distinta te bem definida. Há relatos de que ela foi formada a partir do gado primitivo da Escócia, cujo melhoramento foi iniciado durante a segunda metade do século XVIII. Este animal primitivo era encontrado, na época, no norte deste país e não apresentava padrão racial bem definido, a cor não era uniforme e existiam muitos animais com chifre; os que não possuíam chifres foram selecionados para o trabalho de melhoramento.

A raça Aberdeen-Angus foi levada para os Estados Unidos a partir dos anos de 1860-1870, e os primeiros animais registrados foram introduzidos nos Estados Unidos em 1878.

Características raciais

São animais de grande porte. Possuem pelagem uniforme de coloração preta. A cabeça é pequena e a cara levemente lavada; a característica mais notável da cabeça é a ausência de chifres; os olhos são proeminentes; as orelhas de tamanho médio e cobertas de pêlos; a mandíbula e a papada possuem excesso de pele.

O pescoço é curto e se une suavemente à parte superior da espádua, apresentando poucas rugas da pele na parte baixa anterior; a barbela é pouco desenvolvida.

O corpo é profundo e mais cilíndrico que a maioria do gado bovino; peito largo e com boa cobertura muscular; costelas arqueadas e separadas; ossatura moderadamente reduzida; a linha dorsal é reta, com o lombo e dorso amplos e planos; garupa larga quando comparada com a longitude corporal; membros bem implantados; umbigo curto e cauda comprida; musculatura abundante em todo o corpo, mostrando a grande capacidade de produção de carne. Os animais desta raça são reconhecidos por seu terço posterior profundo e arredondado, sendo muito grosso em sua curvatura mais baixa e extremamente musculoso na região da articulação fêmuro-tibial.

O macho mostra masculinidade e rudeza, com a musculatura uniforme e abundante; os touros são mais volumosos do que as vacas da mesma idade e condição. Algumas vezes, a grande prepotência para a transmissão da cor da pele e pêlo resulta em algo interessante, pois os touros angus podem produzir uma descendência totalmente negra, inclusive quando cruzam fêmeas de outras cores. Os touros adultos devem pesar acima de 900 kg quando em bom estado de saúde e musculatura.

A vaca deve apresentar as características femininas. A cabeça deve ser leve e nitidamente perfilada; o úbere de tamanho ideal, de modo que demonstre sua possibilidade de produzir leite suficiente para a sua cria. As vacas adultas devem alcançar acima de 600 kg, considerando o estado de carne e possível gestação.

Aptidão

Esta raça tem sido considerada, há muito tempo nos Estados Unidos, como o tipo ideal de bovino produtor de carne, possuindo características altamente desejáveis aos criadores. Todos apreciam seu tipo excepcionalmente bom, com suas extremidades curtas, corpo desenvolvido e carnoso.

Adaptação

Esta, como outras raças européias, possuem dificuldade de adaptação ao meio criatório do Brasil, devido ao clima tropical, parasitoses e ao regime extensivo, com alimentação exclusivamente em pastos.

Características indesejáveis da raça:

  • Machos e fêmeas de cores que não sejam a negra;
  • Cor branca sobre a linha média, adiante do umbigo e nas extremidades;
  • Presença de chifres ou de cicatrizes no lugar dos chifres;
  • Extremidades excessivamente finas e a garupa demasiadamente curta e caída, conforme se observa em alguns exemplares;

Fontes:
http://www.argen.com.br/historiaracas.asp?raca=4
http://www.ourofino.com/portal/node/645
http://www.iepec.com/noticia/aberdeen-angus-relatado-por-jose-paulo-dornelles-cairoli
http://pt.wikipedia.org/wiki/Angus