Castrismo

De acordo com a definição do iDicionário Aulete, castrismo significa “ação ou pensamento político de Fidel Castro Ruiz (1926), chefe do governo de Cuba desde 1959 e que implantou o socialismo naquele país” ou “fidelismo”. Afora o significado encontrado nos dicionários, o termo castrismo também designa o grupo de medidas e atividades políticas influenciadas pelo marxismo, que tiveram sua origem na Revolução Cubana de Fidel Castro (e Che Guevara) e nortearam a posição econômica da nação cubana.

Além disso, o castrismo é uma forma de representação da maneira adotada pelos revolucionários cubanos para tomar o poder no país. Uma das características mais marcantes é a guerrilha, método utilizado para a conquista do poder que é superior aos partidos políticos. Os fundamentos teóricos do castrismo podem ser encontrados em discursos históricos de Fidel Castro, que são: OLAS – Declaração da Organização Latino Americana de Solidariedade e as duas Declarações de Havana, ocorridas nos anos de 1960 e 1962. Entre as frases mais repercutidas na Declaração de Havana, Fidel afirmou: “Condenai-me. Não importa. A história me absolverá”.

Castro inicia a Declaração de Havana da seguinte forma:

“Senhores magistrados,

Jamais um advogado teve de exercer seu ofício em  condições tão difíceis: jamais se havia cometido  contra um acusado tal número de opressivas irregularidades. Um e outro são neste caso a mesma  pessoa. Como advogado, não pôde sequer ver o  sumário; como acusado, faz hoje 76 dias que está  encerrado numa cela solitária, total e absolutamente incomunicável, contra todos os preceitos  humanos e legais.”

No livro “A Ilha do Doutro Castro”, os autores Corinne Cumerlato e Denis Rousseau apresentam o castrismo como uma forma de controlar a população com o principal objetivo de manter o poder de um só homem e de uma grande casta militar e civil. Tal casta seria privilegiada por uma infinidade de vantagens por estar inteiramente ligada e protegida por Fidel. Ainda segundo eles, naquela época, a população cubana era dominada pela repressão e pelo medo.

O enfraquecimento do regime idealizado por Fidel começou no ano de 1985, quando as relações entre Moscou e Havana começaram a ficar desgastadas. Fora isso, naquele ano foi instaurada a Perestroika, reestruturação política introduzida na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas por Mikhail Gorbachev, então secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista. Até 1991, a URSS ainda mantinha relações com Cuba, ajudando-a financeiramente e dando-lhe respaldo político. Porém, com o fim da URSS e o embargo imposto pelos EUA a Cuba com a Emenda Torricelli, o castrismo foi, aos poucos, perdendo suas forças.

Fontes:
CUMERLATO, Corinne e ROUSSEAU, Denis: "A Ilha do Doutor Castro", Tradução: Paulo Neves, Editora Peixoto Neto, São Paulo, 2001.
AZEVEDO, Antonio Carlos do Amaral. Dicionário de nomes, termos e conceitos históricos. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.
http://www.zahar.com.br/doc/t1150.pdf
http://aulete.uol.com.br/castrismo

Arquivado em: Cuba, Política