Flexão de grau nos substantivos

Por Ana Paula de Araújo
Grau é a propriedade que as palavras têm de exprimir as variações de tamanho dos seres.

Alguns gramáticos defendem que grau não é uma flexão, e sim um processo de derivação. Neste caso a análise seria simples!

  • Menino + sufixo -inho = menininho

E a palavra menininho seria considerada uma outra palavra, derivada da primeira por sufixação. Essa visão, no entanto, não é compartilhada por todos os gramáticos. A grande maioria prefere considerar a análise mais tradicional, de que o grau é um processo de flexão da palavra, assim como o gênero e o número.

Dessa forma, os substantivos podem variar entre aumentativo e diminutivo. E são formados através de dois processos:

a) sintético – acrescenta-se um sufixo ao grau normal.

  • cachorro + -inho = cachorrinho
  • cachorro + -ão = cachorrão

b) analítico – ao substantivo é acrescentada uma outra palavra, geralmente adjetivo, que dá a mesma ideia do sufixo.

  • urso + grande = urso grande;
  • urso + pequeno = urso pequeno.

Há três tipos de grau:

Grau Aumentativo - Indica o aumento do tamanho do ser.

  • boca/bocarra;
  • muro/muralha;
  • pedra/pedrona;

Grau Diminutivo - Indica a diminuição do tamanho do ser.

  • gato/gatinho;
  • bigode/bigodinho;
  • vidro/vidrinho;

Grau Neutro - Indica um ser de tamanho considerado natural.

  • rocha
  • papel
  • lápis
  • sapo

Pode acontecer também de a variação de grau ser utilizada como uma forma de ironia ou para expressar algum tipo de afetividade.

Ex:

  • Nossa que carrão! (o carro não é grande, expressa a admiração do interlocutor)
  • É, eu também tenho um carrinho... (nesse caso, desvaloriza ou menospreza o carro)
  • Ah, que emoção! Minha filhinha vai casar! (sentimento de carinho, afeição)