Terapia do Luto

A sociedade moderna, mais que qualquer outra era histórica, vem negando sistematicamente a presença da morte; algo que deveria ser considerado um processo natural acaba se convertendo em uma experiência dolorosa e quase insuportável. Como ninguém se prepara para vivenciá-la, pois se tornou um tabu até mesmo pensar em sua existência, perder um ser querido converte a vida de alguém em um terrível redemoinho de dor e sofrimento.

Como a morte é rejeitada e, pior que isso, praticamente ignorada, a maior parte das pessoas não sabe mais como enfrentá-la; muitas vezes isto implica em uma relação funesta com o luto, pois nos tempos pós-modernos ele é algo com quem ninguém mais sabe lidar; afinal, como viver esta experiência se ela agora carece de significado?

É fundamental que o ser humano se conscientize de que sua existência é composta de ciclos, de recomeço e de transformações; tudo sempre passa, por mais impossível e insuportavelmente doloroso que pareça, no primeiro momento. E o corpo físico é perecível, enquanto a alma, do ponto de vista da maior parte das religiões, permanece viva.

Urge resgatar antigos mitos e mitologias, com os quais a Humanidade aprendeu a compreender a realidade a sua volta; bem como reviver velhos rituais e tradições ancestrais, pois através deles o Homem entendeu e aceitou melhor a morte na Antiguidade. Infelizmente, com o domínio da Igreja Católica, principalmente a partir da Idade Média, tudo se transformou, e o medo assumiu o primeiro plano.

A terapia do luto ainda não é muito conhecida no Brasil, embora seja normal na Inglaterra e nos Estados Unidos. Nestes países um esforço interdisciplinar, que une terapeutas, psicólogos e psiquiatras, contribui para a recuperação de pessoas que estão vivendo a experiência da perda, da morte de entes queridos.

Estes pacientes são orientados e conduzidos neste difícil processo de trazer para o plano da consciência a dor e o sofrimento, pois reprimi-los nos subterrâneos do inconsciente só contribui para que a pessoa passe a viver um luto crônico, incessante. É necessário que ela extraia de dentro de si todos os sentimentos e emoções ligadas a esta carência.

A meta desta terapia é eliminar, gradualmente, a dor que se cristaliza no interior daqueles que vivenciam a morte de alguém importante, bem como a rejeição do evento, os sutis processos de escape e o temor do porvir. O profissional ajuda o indivíduo a compreender que a morte é um processo natural, que atinge a todos em algum momento da vida, o que o leva a ver esta ocorrência como algo comum, não enquanto um fato excepcional e místico.

O que é, afinal, vivenciar o luto? É permitir que a dor venha, passe, e aos poucos se desvaneça, assim como as saudades, a melancolia, qualquer traço de culpa ou de remorso que invada o íntimo do ser enlutado; também é essencial falar sobre o morto, e não fingir que nada aconteceu. Só assim será possível alcançar a catarse que ameniza a dor e deixa o coração livre do que o oprime.

O ramo terapêutico que estuda este campo, e do qual deriva a terapia do luto, é a Psicologia da Morte, esfera que investiga os fatores sócio-psicológicos que estão relacionados ao Luto e a qualquer esforço de encarar as perdas mais profundas. Esta terapêutica se direciona não só àqueles que enfrentam a dor da morte, mas também aos que passam por enfermidades que aproximam o paciente desta realidade. O mecanismo de orientação não demanda mais que dez sessões, e às vezes pode até se resumir a um único encontro; tudo depende das condições em que o paciente se encontra.

Fontes:
http://recantodasletras.uol.com.br/cronicas/2471972
http://dekabarros.wordpress.com/2010/08/30/terapia-do-luto/
http://www.wix.com/mcostajunior/terapiadoluto

Arquivado em: Psicologia