Erros Conceituais em Catalisadores

Licenciatura Plena em Química (Universidade de Cruz Alta, 2004)
Mestrado em Química Inorgânica (Universidade Federal de Santa Maria, 2007)

Assim como ocorrera a muitos episódios dentro da ciência, sabemos hoje que a utilização dos catalisadores pelo homem remonta de mais de 2000 anos. Os primeiros usos ocorreram na produção do vinho, do queijo e do pão. Nesta época, percebeu-se a necessidade de adicionar uma pequena quantidade da batelada anterior para fazer a nova batelada. Entretanto, foi somente em 1835 que o químico Berzelius, muito conhecido na orgânica, começou a reunir as observações de antigos alquimistas e químicos sugerindo que pequenos valores de uma origem externa poderiam interferir drasticamente no andamento de reações químicas, chegando a definir tais substâncias de catalisadores.

Oswald então expandiu a explicação dada por Berzelius somente em 1894, quanto afirmou pela primeira vez que catalisadores eram substâncias que possuiam a propriedade de acelerar a velocidade de reações químicas, e sem serem consumidas no processo. Após 150 anos desde o trabalho de Berzelius, os catalisadores têm desempenhado um fundamental papel econômico no mercado mundial, interferindo até mesmo no curso tomado pela história humana. “Apenas nos Estados Unidos, as vendas de catalisadores de processo em 1996 chegaram a US$ 1 bilhão, sendo usado principalmente no refino de petróleo e na fabricação de produtos químicos”.1

Define-se hoje como catalisador uma substância química que afeta a velocidade de uma reação ou processo, sem ser consumida durante o processo. Erroneamente menciona-se em alguns momentos que o catalisador não participa da reação; pois ele participa, mas no final é regenerado em mesma massa. Um catalisador atua normalmente modificando a velocidade de reação, promovendo um mecanismo reacional diferente para esta reação. “O desfecho da reação é específico do catalisador. Este fato leva a ser admitida a formação de complexos intermediários: pequena quantidade de um catalisador X atuando sobre A forma um complexo intermediário AX que por sua vez reagindo com B produz AB e regenera X. De modo geral teríamos as reações abaixo:

A + X → AX
AX + B  → AB+X
...
...... → B + X

com a formação do complexo intermediário AX por meio de  vários estágios intermediários e consequente transformação através de um canal ou caminho diferente de reação. Cada um destes estágios intermediários é caracterizado por uma energia de ativação menor do que a da reação direta”.2

Outro erro conceitual no que se refere ao tema “catalisador” está ao afirmar-se que este indistintamente aumenta a velocidade de uma reação química. Entretanto, catalisadores podem aumentar ou diminuir a velocidade reacional, e não afetam o equilíbrio da reação, pois agem nos processos direto e inverso ao mesmo tempo.

Referências:
1. http://pt.wikipedia.org/wiki/Cat%C3%A1lise
2. http://www.iqsc.usp.br/cursos/quimicageral/catalise
RUSSELL, John B.; Química Geral vol.1, São Paulo: Pearson Education do Brasil, Makron Books, 1994.

Arquivado em: Química