Período de Meia-Vida

Por Deivid Cezario Teixeira
Quando tratamos a Energia Nuclear, logo pensamos que ela é responsável pela geração de uma grande energia, mas não nos damos conta de como essa energia é gerada.

Inicialmente, tomamos um elemento como responsável por gerar a energia da qual estamos falando, no caso das Usinas Nucleares mais comuns, temos o Urânio-238 como elemento a ser desfrutado.

Após um processo de utilização desse elemento, logo nos vêem a mente que necessitaremos de outra amostra a fim de continuar a gerar energia. Isso, porque pensamos que o elemento deve acabar conforme ele é utilizado. Mas não é bem assim que funciona. Cada elemento químico tem um tempo correto para se desintegrar, ou seja, um período ao qual ele deverá ter sua massa reduzida.

Quando dizemos que essa redução da massa de um elemento caiu pela metade, chamamos o tempo necessário que ele gastou de período de meia vida, ou seja, ao tempo gasto por um elemento, para que ele tenha sua massa reduzida pela metade damos o nome de período de meia vida deste elemento que pode ser calculado da seguinte forma:

t = X . P

Onde:
t = tempo de decaimento;
X = número de períodos de meia vida;
P = Período de meia vida;

Por exemplo, se tomarmos hoje (2008) um elemento A de massa 100 kg, sendo seu período de meia vida de 80 anos, terá sua massa igual a 50 kg no ano de 2088! Ou seja, daqui a oitenta anos. No ano de 2168 sua massa será de 25 kg e assim por diante.

Para se ter uma idéia de alguns elementos temos o carbono-14 que tem período de meia vida igual a 5730 anos, e o Urânio-238 tem período de meia vida igual a 5 bilhões de anos, o que alguns cientistas dizem ser a idade média do planeta Terra.