Protozoários Amebóides (Rizópodes)

Por Marilia Araujo
Os protozoários amebóides (Rizópodes), por tradição incluídos no táxon Sarcodina (um subfilo), apresentam extensões fluidas no corpo: os pseudópodes. Neste táxon estão incluídas as amebas, bem como outros organismos com pseudópodes (marinhos, de água doce ou terrestres). Os pseudópodes são estruturas utilizadas para capturar alimentos e no grupo dos bentônicos (que vivem no substrato) também servem para a locomoção: o movimento amebóide. Acredita-se que este tipo de movimento pode ser um caráter primitivo das células eucarióticas que se assim o for, é então uma simplesiomorfia dos protozoários amebóides que não os deixa reuni-los em um táxon monofilético. Formando então um grupo parafilético ou, mais provavelmente, um grupo polifilético. Esses protozoários quase sempre são assimétricos, porém há alguns que tem o esqueleto simetricamente radiado.

Geralmente as espécies com corpos pequenos apresentam um núcleo, enquanto que as espécies com corpos grandes possuem muitos núcleos, e ainda possuem relativamente poucas organelas especializadas, o que os caracteriza protozoários simples. Os três grupos principais de protozoários amebóides são:

  • Amebas: Caryoblasta, Heterolobosea e Amoebozoa.
  • Foraminíferos: Foraminiferea.
  • Actinópodes: Radiolalia, Acantharea e Heliozoa.

Amebas

amoeba

Estruturas de uma Ameba

As amebas podem ser nuas ou encerradas em uma teca (tipo de carapaça). As amebas nuas (incluindo Amoeba) vivem no mar, na água doce ou em filetes de água ao redor das partículas que compõem o solo. Apesar de constantemente mutável, essa forma desses organismos é peculiar de cada espécie. O citoplasma desses organismos está dividido em um ectoplasma externo, claro e rígido, e em um endoplasma interno mais fluido, como podemos notar na figura ao lado.

Os pseudópodes adotam apenas uma das duas formas gerais possíveis (os lobópodes e os filópodes). Os lobópodes são típicos de muitas amebas, apresentam uma forma arredondada de ponta obtusa e são mais largos, tubulares e compostos com ectoplasma e endoplasma. Já os filópodes ocorrem em muitas amebas pequenas, são estreitos, claros, ramificados, mas os ramos não se interligam extensivamente a ponto de formar redes.

Filamoeba sp.

Filamoeba sp.

Nas amebas tecadas (com carapaça), que são em parte habitantes de água doce, adeptas de solo úmido e liquens, o citoplasma secreta uma teca extracelular radial ou bilateral. A ameba prende-se por fios protoplasmáticos à parede interna da teca. E os pseudópodes projetam-se através de uma abertura na mesma teca. Em Arcella, que é uma ameba das mais comuns de água doce, a teca de proteína tem a forma de um domo achatado com a abertura no meio do lado de baixo.

As espécies marinhas normalmente carecem de vacúolos contráteis, contrastando com as espécies de água doce que possuem de um a vários vacúolos contráteis.

 

Diversidade das Amebas

Caryoblasta

Os organismos representantes deste filo apresentam célula que contém de um a vários flagelos imóveis, sendo que cada um desses flagelos possuem um corpúsculo basal. Nota-se também que há a ausência de mitocôndrias, de corpúsculos de Golgi e organelas respiratórias. Alguns sistematas consideram os carioblastos como eucariotos pré-mitocondriados e, portanto, entre os protistas atuais mais primitivos.

Heterolobosea

Heterolobosea

D. Percolomonas

Neste filo os organismos possuem células que tem um estágio flagelado, com 2 a 4 flagelos funcionais. O encistamento acontece sob condições adversas, são característicos de sedimentos de água doce e marinhos. Alguns sistematas contemporâneos incluem este táxon entre os flagelados.

Amoebozoa

É um táxon polifilético que não apresentam flagelos e centríolos, habitantes de água doce, marinho, terrestre e simbiontes.

Fontes:

Ruppert, Edward E., Fox, Richard S., Barnes, Robert D. Zoologia dos invertebrados: uma abordagem funcional-evolutiva. São Paulo. Roca, 2005.