Colônias

Colônias são agrupamentos de indivíduos de uma mesma espécie, fisicamente unidos, que interagem de forma mutuamente vantajosa. Os níveis de complexidade das colônias variam, bem como o grau de divisão de tarefas de seus componentes.

Colônia de corais. Foto: Ethan Daniels / Shutterstock.com

Colônia de corais. Foto: Ethan Daniels / Shutterstock.com

Elas podem ser isomorfas ou heteromorfas.

Colônias isomorfas

Colônias isomorfas apresentam indivíduos com morfologia e funções semelhantes, como no caso dos corais (cnidários). Os organismos destas colônias secretam um esqueleto calcário que é compartilhado por até milhões de indivíduos muito parecidos entre si. Na Austrália, as colônias que formam o imenso recife chamado de Grande Barreira de Corais possuem mais de 2.000 quilômetros de extensão.

Outro exemplo de colônia isomorfa é encontrado entre algas de água doce do gênero Volvox. Nestas colônias podem estar reunidos mais de 1.000 indivíduos unicelulares biflagelados e sem flagelos. Os indivíduos biflagelados ficam dispostos lado a lado, formando uma esfera oca, que é preenchida pelos indivíduos sem flagelos. Enquanto os indivíduos flagelados, que formam a porção periférica da colônia, ficam responsáveis por sua movimentação, os sem flagelo podem originar, por reprodução assexuada, outros indivíduos.

Colônias heteromorfas

Caravela. Foto: Broadbelt / Shutterstock.com

Caravela. Foto: Broadbelt / Shutterstock.com

Já as colônias heteromorfas apresentam indivíduos com morfologia e funções bem distintas. A caravela-portuguesa (Physalia physalis) é um exemplo deste tipo de colônia. Nela, são encontrados indivíduos que desempenham as mais variadas funções: flutuação: membros que formam uma bolsa de gás, responsável pela manutenção da colônia na superfície marinha; captura do alimento e defesa: são alongados e apresentam células urticantes, formando longos tentáculos, que imobilizam a presa e também podem afastar predadores; digestão do alimento: possuem boca e cavidade digestória. Também há aqueles responsáveis pela reprodução, chamados de gonozoides.

Há cnidários que também formam colônias heteromorfas: o cnidário do gênero Obelia é constituído por diferentes pólipos: uns especializados na reprodução (originando outros indivíduos por brotamento), outros na alimentação e os outros na defesa.

Colônias deste tipo, com indivíduos altamente integrados e com tamanho nível de especialização de funções, acabam se comportando como órgãos de um único organismo.

Referência:

AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia das Células 1. 4ª edição. São Paulo: Editora Moderna, 2015.