Dragão de Komodo

Por Thais Pacievitch
Dragão de Komodo (Varanus komodoensis) é o maior lagarto existente na Terra. Pertencem ao Filo Chordata, classe Reptilia, ordem Squamata e a família Varanidae.

Chegam a ter 3,5 metros de comprimento, seu peso atinge até 125 kg, sua cor varia entre marrom e acinzentado, e pode viver até 50 anos. Em cada pata tem cinco garras enormes. Sua aparência lembra os extintos dinossauros, mesmo porque, o dragão de Komodo já vivia na Terra muito antes do aparecimento do homem.

Essa espécie de lagarto é uma descoberta “recente” para os cientistas ocidentais, que conheceram o dragão de komodo apenas em 1912. Isso ocorreu pelo isolamento em que vive essa espécie. Os Dragões de Komodo habitam a Ilha de Komodo (origem de seu nome) e algumas pequenas ilhas próximas, na Indonésia.

Apesar de seu tamanho, se locomovem com rapidez. Carnívoros e vorazes caçam com muita habilidade. Podem matar utilizando sua cauda, garras e mandíbulas poderosas. Quando a vítima escapa das garras do dragão, acaba morrendo por infecção, causada por bactérias presente na boca do lagarto. Essas bactérias são tão poderosas, que se um dragão morder a si mesmo, morre por infecção das bactérias presentes na própria boca.

Em seu cardápio estão macacos, cobras, porcos, veados, javalis, cervos e dragões pequenos. Esses animais de médio porte podem ser comidos vivos pelo lagarto, que os corta em pedaços com os dentes. Suas partes preferidas, as primeiras que devora são as entranhas e a língua da presa.

Animais maiores como javalis, cabras, búfalos, cavalos e mesmo homens geralmente não são devorados assim que atacados. São mordidos e morrem por infecção após alguns dias. Quando a carne entra em estado de putrefação, o cheiro atrai o dragão de cômodo, ainda que a uma distância de até 7 km, que é o alcance do olfato desse fabuloso animal. A carniça está entre as preferências do lagarto, talvez pela maior facilidade de arrancar os pedaços de carne, seja com a boca, seja com as grandes unhas.

Na época da reprodução, no fim da estação das chuvas, a fêmea deposita de 24 a 30 ovos em buracos que ela mesma faz na areia. Entre 6 e 8 semanas os ovos eclodem. Os filhotes nascem com 25 cm de comprimento, o que os torna vulneráveis a alguns predadores, inclusive aos próprios dragões adultos.

Inúmeros habitantes das Ilhas onde são encontrados esses lagartos já foram mortos por conseqüência de ataques de dragões. A infecção causada pelas bactérias presentes na boca dos dragões, era mortal há alguns anos.

Atualmente, se o tratamento medicamentoso for rápido, uma pessoa atacada por um dragão pode ser salva, porém fica com marcas para sempre. Devido ao perigo eminente, as casas dos moradores das Ilhas são comumente construídas sobre estacas.

Apesar de estarem no topo da cadeia alimentar, pois não existem predadores para os dragões adultos, esses animais são protegidos por lei. A estimativa é de que existam cerca de cinco mil dragões de komodo espalhados por poucas ilhas da Indonésia. Apesar dos perigos de se aproximar de um animal como esse, os dragões se tornaram uma atração turística das Ilhas.