Viaduto do Chá

Por Felipe Araújo
Com sua localização no Vale do Anhangabaú, centro histórico da cidade de São Paulo, o Viaduto do Chá é uma famosa construção que foi idealizada no ano de 1877. Porém, sua inauguração ocorreu somente em 1892, no dia seis do mês de novembro. Antes do viaduto ser construído, para chegar da Rua Líbero Badaró até a área onde atualmente está o Teatro Municipal, era necessário descer o declive, passar pela Ponte do Lorena, acima do Anhangabaú, e subir a rua onde atualmente encontra-se a Xavier de Toledo, antiga Ladeira do Paredão.

Um dos problemas encontrados para a construção do Viaduto do Chá era que, na Rua Líbero Badaró localizava-se a residência da Baronesa de Tatuí, uma das personalidades paulistas que era contrária ao início das obras. No local onde atualmente está o Teatro Municipal, ficava a serraria de Gustavo Sydow, um alemão. Na sequência, via-se a chácara do Barão de Itapetininga, tracejada pelas seguintes ruas: D. José de Barros, Formosa e 24 de maio.

O Viaduto do Chá foi a obra pioneira no estilo a ser construída na cidade de São Paulo. Seu desenvolvimento teve início no ano de 1888, mas devido à resistência de alguns residentes da área, as obras foram interrompidas após um mês de seu início. O problema era que os contrários à construção do viaduto eram pessoas com prestígio social como o Barão de Tatuí, que teria uma de suas casas desapropriada pela obra.

Porém, em um dia fatídico, um grupo de populares que era favor da construção do viaduto começou a atacar as paredes do sobrado do Barão com picaretas, fazendo com que ele se mudasse à força. Após este ato, as obras retornam no ano de 1889 com a chegada de uma armação metálica de origem alemã. Justamente no dia da inauguração, caiu uma tradicional garoa paulista, que interrompeu as festividades. Responsável pela construção da obra, a Companhia Ferrocarril recebia três vinténs, como forma de pedágio, das pessoas que atravessavam o rio através do viaduto.

O Viaduto do Chá era conhecido por receber pessoas ilustres da alta estirpe da cidade. O costume dos passantes era frequentar o comércio, os cinemas da região e, após 1911, o Teatro Municipal. Uma curiosidade é que o viaduto foi usado muitas vezes por pessoas que queriam pular para se suicidar.

Com o tempo, a armação metálica alemã com assoalho feito em madeira foi se desgastando com o aumento da quantidade de pessoas que por ali passavam todos os dias. Assim, em 1938, a obra foi demolida e deu lugar a uma nova, fabricada com duas vezes o tamanho anterior e armação desenvolvida em concreto armado.

O nome Viaduto do Chá remete ao Morro do Chá, que ficava localizado no flanco da atual Rua Xavier de Toledo. Outra origem era o cultivo de chá realizado pelo Marechal José Arouche de Toledo Rendon nas proximidades do Largo do Arouche. Atualmente, o viaduto é um dos maiores cartões postais da cidade de São Paulo.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Viaduto_do_Ch%C3%A1
http://netleland.net/?tag=viaduto-do-cha
http://salacristinageo.blogspot.com.br/2012/11/viaduto-do-cha-completa-120-anos.html