Crioterapia

A crioterapia é definida como uma técnica terapêutica na qual é aplicada qualquer substância ao corpo, levando à retirada da temperatura corporal e, deste modo, reduzindo a temperatura tecidual.

Esta forma de terapia engloba diferentes técnicas específicas que utilizam o frio, como na forma líquida (água), sólida (gelo) e gasosa (gases, como, por exemplo, nitrogênio líquido), capazes de retirar o calor corporal induzindo o mesmo a um estado de hipotermia, favorecendo, assim, uma diminuição da taxa metabólica local, gerando nas células uma queda da necessidade de oxigênio.

Há relatos do uso desta técnica no século 2500 a.C., pelo povo egípcio, como método analgésico e antiinflamatório. Estas características levaram à difusão da crioterapia durante o século XIX, pelo médico do exército de Napoleão Bonaparte. Sendo esta técnica a mais utilizada em casos de amputação de membros. Durante a década de 1970, este método passou a ser utilizado como prática comum em casos de lesões desportivas.

Atualmente, esta forma terapêutica, em especial o gelo, é amplamente utilizada na medicina esportiva. Todavia, esta técnica não é utilizada apenas para o tratamento de lesões ou traumas, também e utilizada para tratamentos estéticos, como tratamento de gordura localizada (lipodistrofia) e flacidez, além de remoção de protuberâncias estaticamente indesejáveis (criocirurgia, utilizando-se nitrogênio líquido), como, por exemplo, verrugas.

Os efeitos provocados pela crioterapia envolvem o anestésico, a redução da dor, a redução do espasmo muscular, a estimulação do relaxamento, a possibilidade de mobilização precoce, a melhora na amplitude de movimento, a diminuição do edema e hematoma, a redução da circulação e dos processos inflamatórios, a preservação da integridade das células e do tecido que foi lesionado. Sendo assim, dentre as principais situações nas quais a crioterapia é utilizada, encontram-se:

  • Traumatismos mecânicos;
  • Dores cervicodorsolombares;
  • Processos infecciosos;
  • Espasmos musculares;
  • Edemas pós-traumáticos;
  • Artroses;
  • Lesões periarticulares;
  • Certos pós-operatórios, como, por exemplo, artroplastia total do joelho.

No caso de pessoas com baixo nível de massa corporal, o tempo necessário para ser alcançado o resfriamento muscular é bem curto; já em pessoas obesas, o tempo de aplicação da crioterapia deve ser mais longo, uma vez que o tecido adiposo funciona como um isolante térmico.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Crioterapia
http://www.correrporprazer.com/2009/03/crioterapia/
http://esteticistas.net.br/index.php?option=com_content&view=article&id=164:crioterapia&catid=41:tratamentos-para-o-corpo&Itemid=115
http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/crioterapia2.htm

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Saúde