Desintoxicação alimentar

Define-se desintoxicação alimentar como sendo a adoção de uma dieta específica, que tem por objetivo eliminar toxinas remanescentes após um período de alimentação inadequada.

O correto seria se a quantidade de toxinas ingeridas não ultrapassasse a capacidade de eliminação da mesma pelo organismo, sendo, por esse motivo, altamente importante diminuir essa intoxicação, maximizando, deste modo, o funcionamento do organismo.

De acordo com profissionais defensores desta prática, diferentes desordens do organismo, como os de pele, trato gastrointestinal, respiratórios, urinários e até mesmo psicológicos podem ser modificados por meio da implementação da desintoxicação alimentar.

A intoxicação, de um modo geral, se dá por meio da ingestão de alimentos, água, respiração, produtos utilizados na pele e até mesmo pelo estresse e geração de emoções negativas. Com relação aos agentes físicos de maior destaque por causar intoxicação ao organismo estão: o álcool, o café, o açúcar branco, alimentos refinados, sal em excesso, tabaco, poluição atmosférica, agrotóxicos utilizados na produção de alimentos, dentre outros. Contudo, a exposição a esses fatores não é o único fator que contribui para a intoxicação. O baixo consumo de fibras e líquidos (especialmente água) também pode ser prejudicial ao funcionamento adequado do intestino e de outros órgãos excretores.

A atenção não deve estar focada somente na forma de se alimentar, mas também em como ingerimos os alimentos e se a eliminação está sendo satisfatória. Dentre os alimentos componentes do processo de desintoxicação estão:

  • Grãos germinados e sementes;
  • Brotos;
  • Frutas;
  • Hortaliças;
  • Cereais integrais;
  • Leguminosas;
  • Oleaginosas.

Também é importante ingerir aproximadamente dois litros de água por dia, de preferência mineral, evitando a água de torneira, na qual se encontram muitos produtos químicos utilizados no tratamento desta.

A eliminação das toxinas ocorre de diferentes formas, como por meio das fezes, da urina, do suor, do muco, da tosse e da expiração.

No entanto, muitos estudiosos da área apontam que não há nenhuma evidência de que os produtos ditos “desintoxicantes” surtam o efeito esperado. As pesquisas indicam que os mesmos benefícios, após cometer excessos (tanto na alimentação, quanto na exposição da pele a produtos químicos ou do organismo à poluição), são alcançados com uma dieta equilibrada e sono tranquilo.

Fontes:
http://hypescience.com/cientistas-detonam-o-mito-da-desintoxicacao/
http://guialocal.sissaude.com.br/Desvenda_os_mitos_da_desintoxicacao_do_organismo_Maringa_Parana-r1331041-Maring%C3%A1_PR.html
http://vidamaissaudavel.wordpress.com/tag/desintoxicacao-alimentar/

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Nutrição, Saúde