Proletariado

Por Fernando Rebouças
A palavra “trabalho” é proveniente do termo latino “tripalium” que designa um instrumento de tortura formado por três paus. O politicólogo e filósofo alemão Karl Marx, que fundou com Engels o marxismo, designou o trabalhador sob o termo proletário.

Karl Max entendia que a única riqueza que um trabalhador poderia possuir e multiplicar era sua prole (filhos), e no processo das primeiras Revoluções Industriais, os trabalhadores buscavam ter muitos filhos, pois seriam novos “braços trabalhadores” para o mercado de trabalho, daí o termo proletariado para designar massa de trabalhadores prontos para vender suas forças de trabalho.

O proletariado é antagônico à burguesia dentro do marxismo, é o que apenas possui a força de trabalho como propriedade. Mas, segundo Karl Marx, o proletariado produz algo a partir da natureza, enquanto que o trabalhador pode apenas oferecer algo já produzido, o que diferencia o significado entre ambos.

A grande compradora da mão-de-obra do proletário é a classe capitalista proprietária dos meios de produção, e jamais haveria conciliação entre as duas classes, o que gerou a luta entre classes e o sonho da construção de um mundo sem classes num estado comunista.

No livro “Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico”, Engels defende a tomada do poder pelos operários, criando a idéia de “Ditadura do Proletariado”. Para muitos críticos em História, a “Ditadura do Proletariado” ocorreu na construção do bloco socialista soviético, porém não se bastou em si como uma ditadura fiel ao operário, tendo em vista que a decisão de poder, que ficou nas mãos de uma pequena burocracia, oprimia os operários que defendiam alternativas de governo mais próxima do idealizado por Marx e Engels.