Arte sacra

Mestre em Artes Visuais (UDESC, 2010)
Graduada em Licenciatura em Desenho e Plástica (UFSM, 2008)

A arte sacra e a arte religiosa refletem por meio de manifestações artísticas a religiosidade, fomentando a fé de um povo. No entanto, existe uma diferença fundamental entre ambas a ser considerada. Enquanto a arte religiosa tende a a conduzir a uma atitude religiosa e exaltação da fé nos fieis, a arte sacra, além do mesmo objetivo, deve ser apta ao culto da santa missa.

A arte sacra, além de dados sacros ou litúrgicos que nos permitem conhecer a evolução da igreja católica, fornece dados sobre a nossa história e a história da arte em geral, tendo em vista, que desde a chegada dos portugueses em território nacional a Igreja Católica esteve presente na construção identitárias, cultural, social e artística dessa nação.

São muitos os museus de arte sacra espalhados pelo Brasil, entre eles é possível citar o Museu de Arte Sacra de São Paulo, contíguo ao Convento da Luz, o Museu de Arte Sacra Dom Epaminondas em Taubaté, também no estado de São Paulo, e o Museu Nossa Senhora Aparecida Localizado no Santuário Nacional de Aparecida.

São considerados arte sacra imagens de padroeiros e demais santos, os vitrais presentes em inúmeras igrejas, monumentos católicos ou características ornamentais presentes no mobiliário, além de todo conjunto de adornos e paramentos utilizados no ato litúrgico. Dentre esses utensílios e paramentos é possível citar as “Tecas”, um estojo destinado a levar as hóstias consagradas aos enfermos, ou encontrar um “Ostensório” objeto que faz parte do cerimonial litúrgico. Ainda é provável achar uma “Caixa-Cibório”, vaso destinado a conservar hóstias consagradas no Tabernáculo. A “Naveta” é um recipiente para colocar o pó de incenso usado nas celebrações litúrgicas. Baixelas, lavabos e porta toalhas, geralmente confeccionados com metais nobres, formam um conjunto de utensílios a serviço do altar. Ainda é possível encontrar um castiçal ou candeia que consiste em um castiçal portátil usado para solenizar determinados atos da celebração da santa missa. A “Galheta” é um conjunto de utensílios que são levados ao altar no cortejo do ofertório e servem para colocar a água e o vinho. Há também, um objeto denominado “Esplendor do Espírito Santo” que é usado nas solenidades de Pentecostes e o “Bastão Pastoral” ou “Báculo” que é um acessório de insígnia usado pelo Bispo nas funções litúrgicas solenes, exceto nas missas fúnebres e na Sexta-feira da Paixão, este é um objeto que é segurado com a mão esquerda com a curvatura virada para os fiéis. Além de todos esses objetos é possível citar altares e imagens de santos trabalhados em madeira.

A grande maioria desses objetos são confeccionados em dourado e prateado, alguns feitos de ouro ou prata e são ornamentados com singular riqueza de detalhes, outros, no entanto, são extremamente simples, porém todos são utilizados, afim de enaltecer a fé cristã.

Hall da Biblioteca Apostólica Vaticana. Foto: Francesco Dazzi / Shutterstock.com

Arquivado em: Artes