A cura dos dez leprosos

O episódio da cura de dez leprosos é um dos milagres feitos por Jesus e está relatado no evangelho de Lucas, no Novo Testamento.

De acordo com as escrituras, aconteceu que, indo Jesus a Jerusalém, passou pelo meio de Samaria e da Galiléia e, entrando numa certa aldeia, saíram ao encontro dele, dez homens leprosos, os quais pararam de longe. Naquela época, as pessoas que eram portadoras da lepra eram condenadas a viverem afastadas, isoladas, tinham que deixar suas família e morar num outro local junto somente com outros doentes.

E ocorreu que os dez leprosos, de longe, levantaram a voz, dizendo: “Jesus, Mestre, tem misericórdia de nós” (Lc 17:13). E Jesus, vendo-os, teve compaixão e disse para eles irem, e mostrarem aos sacerdotes que estavam curados. E aconteceu que, de fato, indo eles, ficaram limpos.

E um deles, que era samaritano, vendo que estava curado, voltou glorificando a Deus em alta voz, caiu aos seus pés, com o rosto em terra, dando-lhe graças. E vendo a atitude e gratidão dele, perguntou “Não foram dez os limpos? E onde estão os nove? Não houve quem voltasse para dar glória a Deus senão este estrangeiro?” (Lc 17:17-18). Em seguida, disse a ele para levantar-se, e seguir, pois a fé dele o salvou.

Esta não foi a única vez em que Jesus se dirigiu a um samaritano. Os habitantes da Samaria incluíam judeus que, ao longo dos séculos, tiveram casamentos mistos com os gentios. Eles também acrescentaram deuses estranhos à adoração, e o resultado disso foi um grande ódio e preconceito entre judeus e samaritanos. Todavia, Jesus não tinha postura oposta aos samaritanos, pelo contrário, Ele salvou vidas, curou, libertou a quem quer que tinha fé, e os orientava a não pecar mais.

No contexto cristão, essa passagem é adequada quando o tema da ministração discorre sobre gratidão, reconhecimento, adoração, dar ao Senhor o louvor que lhe é de direito. E pode se adequar também aos momentos de reflexão sobre a vida de um cristão, numa sociedade que tende a ter uma maioria que  pretende receber algo, tomar posse de uma bênção, e não se lembra de agradecer; ou que uma minoria lembra-se de agradecer, ou de retornar a alguém que o ajudou em oração para dar um retorno de que conseguiu o objetivo; ou fazer um culto em ação de graças. Ou ainda, agradecer ao Senhor em oração e louvor.

Bibliografia:
A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, e estudo. 2 ed, Barueri SP: sociedade Bíblica do Brasil 2009.
Bíblia sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil 2 ed Barueri SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 1988, 1993.

Arquivado em: Bíblia