A glória da segunda casa

“A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o Senhor dos Exércitos, e neste lugar darei a paz, diz o Senhor dos Exércitos” (Ag 2.9).

Uma passagem bíblica do livro de Ageu relata que veio a palavra do Senhor por meio do próprio profeta Ageu, dizendo que era para falar a Zorobabel, filho de Sealtiel, governador de Judá, e a Josué, filho de Jozadaque, sumo sacerdote, e ao restante do povo, perguntando quem entre eles viu uma casa na sua primeira glória e da forma que a vêem, não era nada se comparada com uma outra casa.

Esta era uma profecia que tinha por objetivo de incentivar esses homens de Deus a esforçarem-se, e não Zorobabel, Josué filho de Jozadaque, mas todo o povo da terra deveria trabalhar, porque o Senhor era com eles. Desde a aliança que fez com eles (seu povo) quando ainda saiam do Egito, e disse ainda o Senhor que o Espírito Dele permanece no meio de seu povo, e por isso não deveriam temer.

A profecia continua com o Senhor dizendo através de Ageu que em breve faria tremer os céus e a terra, o mar e a terra seca; e tremer todas as nações, e viriam coisas preciosas de todas as nações, e encheria a segunda casa de glória.

Neste momento, o profeta Ageu diz uma Palavra da parte de Deus que é constantemente lembrada pelos cristãos, onde Diz o Senhor “Minha é a prata, e meu é o ouro, disse o Senhor dos Exércitos. A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o Senhor dos Exércitos, e neste lugar darei a paz, diz o Senhor dos Exércitos” (Ag 2:8-9).

 Além de trazer essa Palavra do Senhor, o profeta Ageu também faz uma pergunta aos sacerdotes, no reinado do rei Dario, acerca da lei, dizendo: “Se alguém leva carne santa na orla das suas vestes, e com ela tocar no pão, ou no guisado, ou no vinho, ou no azeite, ou em outro qualquer mantimento, porventura ficará isto santificado?” E os sacerdotes responderam que não.

Em continuou Ageu: “Se alguém que for contaminado pelo contato com o corpo morto, tocar nalguma destas coisas, ficará ela imunda?” E os sacerdotes responderam sim.

Então disse Ageu “Assim é este povo, e assim é esta nação diante de mim, diz o Senhor; e assim é toda a obra das suas mãos; e tudo o que ali oferecem, imundo é. Agora, pois, eu vos rogo, considerai isto, desde este dia em diante, antes que se lançasse pedra sobre pedra no templo do Senhor”.

Dessa forma, as palavras do profeta exortam o povo a permanecer fiel a Deus, que os tirou da terra da escravidão, e que certamente o melhor de Deus está por vir. E por meio dos questionamentos feitos aos sacerdotes, há um entendimento de que vigiar para não tocar em coisas impuras, não se contaminar com a descrença e servir a outros deuses, faz parte do processo de santificação.

Bibliografia:
A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, e estudo. 2 ed, Barueri SP: sociedade Bíblica do Brasil 2009.
Bíblia sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil 2 ed Barueri SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 1988, 1993.

Arquivado em: Bíblia