Ana

“E disse ela (Ana) Ah! Meu Senhor, tão certo como vives, eu sou aquela mulher que aqui esteve contigo, orando ao Senhor” (1 Sm 1:26).

A frase acima foi dita por Ana, mãe do profeta Samuel. O nome “Ana” é citado várias vezes na bíblia, e era muito comum antes mesmo do nascimento de Jesus.

Consta que ela foi a esposa preferida de Elcana, era mais amada e recebia melhores mimos dele. Os dois, Ana e Elcana foram pais de Samuel - o último dos juízes e o primeiro dos profetas da história de Israel e a história deles está contada na bíblia, datando de aproximadamente 1095 AC..

O nome Samuel significa “Do Senhor o pedi”. De acordo com as escrituras Ana não podia ter filhos e orava muito, pedia constantemente um filho ao Senhor. E como Ana orava dia e noite, ao ponto de seu marido Elcana pensar que ela estava bêbada, vendo a sua boca se movendo continuamente, sem sair som... ele até chegou a pedir que ela parasse de tomar vinho. Na verdade Ana intercedia ao Senhor todos os dias, a todo momento pedindo a realização deste sonho.

A angústia de Ana aumentava por conta de Penina, que já tinha filhos de Elcana. Consta que durante os dias de sacrifício anual ao Senhor, Ana se pôs a orar e chorar no templo e sentindo-se humilhada por não conseguir gerar filhos fez um voto com Deus, prometendo que seu filho seria criado diante do Senhor servindo no templo.

Elcana amava profundamente a Ana e não se importava com a sua esterilidade. Inclusive, os melhores presentes e a maior atenção dele eram voltados para ela, apesar de não terem filhos. Apesar disso, Elcana possui uma segunda mulher chamada Penina e ela, por ter dado filhos a Elcana antes de Ana, viva constantemente humilhando Ana, desfazendo dela “A sua rival a provocava excessivamente para a irritar, porquanto o Senhor lhe havia cerrado a madre” (Sm 1:6) Há relatos de que de tudo que Elcana dava a Penina e seus filhos, dava a Ana uma porção dobrada.

Esta situação conflitante se repetia ano a ano, quando todas as vezes que Ana subia à Casa do Senhor, a outra a irritava, e com isso Ana chorava e não comia. E novamente Elcana tentava consolar “Ana porque choras? E porque não comes? E porque estás de coração triste? Não te sou eu mesmo melhor do que dez filhos?” (Sm 1:8)

Até que o Senhor ouviu as orações de Ana, e em uma noite que haviam retornado de uma dessas  idas ao templo, Elcana deitou-se com ela, o Senhor “lembrou-se dela” e depois de um tempo Ana finalmente teve um menino: Samuel. Samuel cresceu na casa do Senhor e foi consagrado a Deus. O menino foi acompanhado pelo sacerdote Eli e conforme crescia, a cada ano sua mãe lhe levava uma túnica.

No ambiente cristão a figura de Ana é lembrada como uma mulher de oração, humilde, perseverante, que sabe conduzir o seu lar sem se deixar levar pelas contendas, e que deposita sua confiança no Senhor. Assim como Ana, a mulher cristã sabe que pode até demorar o cumprimento de uma promessa, mas que o Senhor é fiel para cumprir.

Bibliografia:
A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, e estudo. 2 ed, Barueri SP: sociedade Bíblica do Brasil 2009.
Bíblia sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil 2 ed Barueri SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 1988, 1993.

Arquivado em: Bíblia