Daniel na cova dos leões

A história de Daniel na cova dos leões está relatada na bíblia, no livro do próprio profeta, no velho testamento.

Daniel era um dos três príncipes governantes e se destacava entre eles, pois nele havia um espírito excelente e o rei pensava constituí-lo sobre todo o reino. Então os outros dois presidentes e os príncipes procuravam achar algo contra Daniel a respeito do reino e não achavam, porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum erro nem culpa.

Então estes homens se deram conta de que podiam acusá-lo usando a fé que tinha em seu Deus. E foram juntos ao rei, falaram sobre concordarem em promulgar um edito real e confirmar uma proibição que qualquer que, por espaço de trinta dias, fizesse uma petição a qualquer deus, ou a qualquer homem, que não fosse o rei, que fosse lançado na cova dos leões. E a pedido deles o rei Dario assinou a proibição.

Daniel orava em seu quarto, cujas janelas abertas davam em direção a Jerusalém, três vezes ao dia e se punha de joelhos, em oração, dando graças diante do seu Deus. E assim continuou a fazer mesmo após saber que a proibição estava assinada.

Então aqueles homens foram juntos, e acharam a Daniel em sua casa, orando e suplicando diante do seu Deus. Se apresentaram ao rei e manipularam o rei com argumentos sobre a proibição que assinara.  O rei ficou muito penalizado, e em seu coração queria livrar Daniel, mas não poderia. Então o rei ordenou que trouxessem a Daniel, e lançaram-no na cova dos leões.

O rei, antes que Daniel fosse levado à cova dos leões, disse a ele para pedir ao seu Deus que o livrasse. Naquela noite, o rei se dirigiu para o seu palácio, e passou a noite em jejum, e não deixou trazer à sua presença instrumentos de música, e perdeu o sono. Logo pela manhã levantou-se e foi com pressa à cova dos leões. Chegando lá , com triste voz, chamou por Daniel. Para sua surpresa ele estava vivo.

Disse Daniel “O meu Deus enviou o seu anjo, e fechou a boca dos leões, para que não me fizessem dano, porque foi achada em mim inocência diante dele; e também contra ti, ó rei, não tenho cometido delito algum” (Dn 6:22).

Consta que o rei se alegrou e mandou tirar a Daniel da cova. E ordenou o rei, que fossem trazidos aqueles mesmos homens que tinham acusado a Daniel, e eles foram lançados na cova dos leões, e junto com eles, seus filhos e suas mulheres. E ainda não tinham chegado ao fundo da cova quando os leões se apoderaram deles, e lhes esmigalharam todos os ossos.

Em seguida assinou o rei Dario um decreto de paz no qual em todo o domínio do meu reino os homens poderiam temer o Deus de Daniel, porque era “Deus vivo e que permanece para sempre, e o seu reino não se pode destruir, e o seu domínio durará até o fim. Ele salva, livra, e opera sinais e maravilhas no céu e na terra; ele salvou e livrou Daniel do poder dos leões” (Dn 6:26-28).

Bibliografia:
A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, e estudo. 2 ed, Barueri SP: sociedade Bíblica do Brasil 2009.
Bíblia sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil 2 ed Barueri SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 1988, 1993.

Arquivado em: Bíblia