Jeroboão

Jeroboão foi um dos reis de Israel, o primeiro deles. Ele era filho de Zeruá e Nebate, e havia nascido na tribo de Efraim e durante a juventude conviveu e se revoltou contra Salomão (filho e sucessor de Davi, rei de grande sabedoria que escreveu provérbios). Ele agiu a favor da idolatria, o que desagradou a Deus, e seu reinado havia começado pouco depois da divisão em novos dois reinos.

Jeroboão teve problemas na convivência com Salomão, inclusive provocou uma revolta contra o reinado dele, foi derrotado e por isso fugiu para o Egito. Uma década depois que Salomão morreu, ele retornou para sua terra. Foi quando as dez tribos de Israel chamaram Jeroboão, para sucedê-lo no trono.

Eles, as dez tribos, haviam recusado Roboão como novo rei. Dessa forma houve uma divisão: Roboão reinaria sobre duas tribos, a de Judá e a de Benjamim, que passou a chamar-se “Reino de Judá”. E Jeroboão assumiu as dez tribos que passou a ter mais de um nome “Tribo de Israel”, “Tribo de Efraim”, “Reino das dez tribos” e até mesmo “Reino de Samaria”. Além da mudança de nomes, foi escolhida uma capital Siquém, e depois mudou para Penuel.

Jeroboão teve oportunidade de fazer um reinado agradável a Deus. Quando o Senhor mandou o profeta Aías falar com ele sobre o plano divino de lhe entregar as dez tribos de Israel, ele prometeu a permanência da família de Jeroboão no trono desde que se mantivesse fiel: “Se ouvires tudo o que eu te ordenar, e andares nos meus caminhos, e fizeres o que é reto perante mim, guardando os meus estatutos e os meus mandamentos, como fez Davi, meu servo, eu serei contigo, e te edificarei uma casa estável, como edifiquei a Davi, e te darei Israel” (1 Reis 11:38)

Mesmo tendo recebido uma promessa de Deus, Jeroboão fraquejou, e se sentiu ameaçado com a influência dos irmãos da tribo de Judá, com medo de que se o povo voltasse a Jerusalém para celebrar as festas anuais (como Deus mandou na lei de Moisés) poderiam mudar de idéia e se revoltarem contra ele. Com isso, pecou. Impedia que os seus súbditos fossem até o Templo de Jerusalém, capital do Reino de Judá, para adoração ao Senhor. E ainda levantou dois santuários com bezerros de ouro no norte e no sul do país.

Bibliografia:
http://www.estudosdabiblia.net/d154.htm
A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, e estudo. 2 ed, Barueri SP: sociedade Bíblica do Brasil 2009.
Bíblia sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil 2 ed Barueri SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 1988, 1993

Arquivado em: Bíblia