Lamentações de Jeremias

“Como está sentada solitária aquela cidade, antes tão populosa! Tornou-se como viúva, a que era grande entre as nações! A que era princesa entre as províncias, tornou-se tributária! Chora amargamente de noite, e as suas lágrimas lhe correm pelas faces; não tem quem a console entre todos os seus amantes; todos os seus amigos se houveram aleivosamente com ela, tornaram-se seus inimigos. Judá passou em cativeiro por causa da aflição, e por causa da grande servidão; ela habita entre os gentios, não acha descanso; todos os seus perseguidores a alcançam entre as suas dificuldades” (Lm 1,1:3)

O livro de Lamentações de Jeremias faz parte do Velho Testamento e é continuação do livro de Jeremias, e é de sua autoria. Ocorreu que 586 AC a cidade de Jerusalém foi destruída e o profeta chora essa destruição, efetivada pelo rei Nabucodonosor e o exercito da Babilônia.  O profeta havia anunciado mensagens finais sobre Judá, alertando-lhe sobre a destruição que se aproximava caso a nação não se arrependesse, e clamava, pedindo ao povo que se arrependesse e a voltasse para Deus. Entretanto, a cidade de Judá foi destruída por cauda da constante imoralidade que o povo insistia em viver e a idolatria a outros deuses “No décimo dia do quinto mês, do ano décimo nono de Nabucodonosor, rei da Babilônia, Nebuzaradã, o chefe da guarda e servidor do rei da Babilônia, veio a Jerusalém. E queimou a Casa do Senhor e a casa do rei, como também todas as casas de Jerusalém; também entregou às chamas todos os edifícios importantes” (Jr 52,12:13)

O país estava arrasado, o povo já era prisioneiro quando o profeta discorria sobre a tristeza que assombrava a cidade. Ao longo dos cinco capítulos, sobretudo, não deixa de haver nele notas de confiança em Deus e esperança no futuro, por exemplo “Levanta-te, clama de noite no princípio das vigias; derrama o teu coração como águas diante da presença do Senhor; levanta a ele as tuas mãos, pela vida de teus filhinhos, que desfalecem de fome à entrada de todas as ruas” (Lm 2:19) e “Jerusalém pecou gravemente; por isso, se tornou repugnante; todos os que a honravam a desprezam, porque lhe viram a nudez; ela também geme e se retira envergonhada” (Lm 1.8).

Esses poemas são tradicionalmente recitados pelos judeus, com o intuito de jejuarem e orarem, lembrando os ensinamentos que o povo teve, ao terem destruída a cidade de Jerusalém.

Bibliografia:
A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, e estudo. 2 ed, Barueri SP: sociedade Bíblica do Brasil 2009.
Bíblia sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil 2 ed Barueri SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 1988, 1993.

Arquivado em: Bíblia