Lázaro

Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto? (Jo 11:25).

A história de Lázaro está relatada na bíblia, e figura entre os milagres de Jesus, ao ser trazido de volta à vida, após quatro dias do seu falecimento.

De acordo com as escrituras Lázaro vivia em Betânia, aldeia de Maria (aquela que tinha ungido o Senhor com ungüento, e lhe tinha enxugado os pés com os seus cabelos) e de sua irmã Marta, e ele estava enfermo. Elas mandaram chamar Jesus, e Ele sabendo da doença de Lázaro afirmou que “Esta enfermidade não é para morte, mas para glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela” (Jo 11:4).  

Dois dias depois disse para os discípulos que Lázaro, amigo deles, dormia, mas seria despertado do sono. Os discípulos ainda observaram que, se dorme, ele já estaria salvo.

Mas Jesus ressaltou que não era um dormir como repouso do sono, mas que na Lázaro estava morto. E assim se dirigiram para o local onde estava o corpo de Lázaro.

Consta que Jesus chegou e já havia quatro dias que ele estava na sepultura. Muitos judeus tinham ido consolar a Marta e a Maria, sobre a morte de seu irmão. Jesus vendo o sofrimento daquela família, teve grande compaixão. Marta, vendo que Jesus vinha, saiu ao seu encontro e Maria continuou assentada em casa. Marta disse a Jesus que se ele estivesses lá o irmão dela não teria morrido, mas ela também sabia que tudo que ele pedia a Deus, Deus o concederia.

Então seguiu-se o breve diálogo:

“Disse-lhe Jesus: Teu irmão há de ressuscitar.

 Disse-lhe Marta: Eu sei que há de ressuscitar na ressurreição do último dia.

 Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto?

Disse-lhe ela: Sim, Senhor, creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo” (Jo 11: 23-27).

Jesus era amigo próximo daquela família. Nesta passagem está o menor versículo da bíblia: “Jesus chorou” (Jo:11:35). Ele foi até o sepulcro (uma caverna com uma pedra posta sobre ela) e disse “Tirai a pedra”. Ouvindo de Marta que Lázaro já cheirava mal, pois estava morto a quatro dias, ouviu dele que “Não te disse que, se creres, verás a glória de Deus?”. Tiraram a pedra. Levantando os olhos para cima, Jesus intercedeu junto ao Pai, dando graças e clamou com grande voz “Lázaro, sai para fora”. Então saiu Lázaro, tendo as mãos e os pés ligados com faixas, e o seu rosto envolto num lenço.

Alguns historiadores afirmam que na época de Jesus, havia o costume de sepultar o morto no mesmo dia em que morreu por causa do tempo quente. Assim que constatavam a morte de alguém, eles envolviam o corpo em tiras de pano junto com especiarias e unguentos. Há indícios de que Jesus tenha começado sua jornada à Betânia (que durou entre dois ou três dias) no máximo um dia depois da morte de Lázaro.

Isso porque a tradição judaica ensinava que a alma do falecido pairava sobre o corpo durante três dias depois da morte, na esperança de poder voltar. Essa era uma crendice popular de grande aceitação, e até mesmo o tempo em que Lázaro já estava morto anulava qualquer chance de dúvida para o judeu de que a restauração da vida de Lázaro por Jesus eliminava toda superstição e era de fato um milagre.

Bibliografia:
A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, e estudo. 2 ed, Barueri SP: sociedade Bíblica do Brasil 2009.
Bíblia sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil 2 ed Barueri SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 1988, 1993.

Arquivado em: Bíblia