Neemias

“Acabou-se, pois, o muro aos vinte e cinco dias do mês de elul, em cinqüenta e dois dias. Sucedeu que, ouvindo-o todos os nossos inimigos, temeram todos os gentios nossos circunvizinhos e decaíram muito no seu próprio conceito; porque reconheceram que por intervenção de nosso Deus é que fizemos esta obra.” (Ne 6, 15:16)

 Este livro conta ao longo de 13 capítulos, que Neemias sempre dependeu de Deus e foi um homem de oração. Ele foi mandando pelo próprio Ciro, Rei da Pérsia, para governar Judá. O livro de Neemias faz parte do Velho Testamento, e é a continuação do livro de Esdras (sacerdote, descendente de Arão, e que dedicou a vida para estudar e ensinar a palavra de Deus durante o exílio dos israelitas na Babilônia, e acompanhou a restauração do tempo após o decreto de Ciro Rei da Pérsia libertando este povo). Inclusive, de acordo com manuscritos mais antigos há a possibilidade de que Esdras e Neemias constituíam um único livro com características semelhantes quanto ao estilo e conteúdo. Por este motivo a tradição atribui a Esdras a autoria dos textos, provavelmente escritos entre 445 e420 AC.

Enquanto Esdras dirige a leitura da Lei de Deus e a confissão de pecados pelo povo, entre eles a condenação do casamento misto, por exemplo ao referir-se ao Rei Salomão “Não pecou nisto Salomão, Rei de Israel? Todavia, entre muitas nações não havia rei semelhante a ele, e ele era amado do seu Deus, e Deus o constituiu rei sobre todo Israel. Não obstante isso as mulheres estrangeiras o fizeram cair em pecado” (Ne 13:26) e Neemias dirige a reconstrução das muralhas de Jerusalém, e realiza várias obras sociais e religiosas, onde o povo inspirado por Neemias deu o dízimo e fartura de materiais para a obra. Além de orientar o povo, Neemias orava com fervor: “Ah! Senhor, estejam, pois, atentos os teus ouvidos à oração do teu servo e à dos teus servos que se agradam de temer o teu nome; concede que seja bem sucedido hoje o teu servo e dá-lhe mercê perante este homem. Nesse tempo eu era copeiro do rei.” (Ne 1:11)

E foi perseverando na obra de reconstrução do tempo, e ao mesmo tempo se defendendo contra os inimigos de Israel, obedientes a  Deus, que o povo conseguiu se restabelecer “Inspecionei, dispus-me e disse aos nobres, aos magistrados e ao resto do povo: não os temais; lembrai-vos do Senhor, grande e temível, e pelejai pelos vossos irmãos, vossos filhos, vossas filhas, vossa mulher e vossa casa. E sucedeu que, ouvindo os nosso inimigos que já o sabíamos e que Deus tinha frustrado o designo deles, voltamos todos nós ao muro, cada uma à sua obra” (Ne 4,14:15)   

Bibliografia:
A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, e estudo. 2 ed, Barueri SP: sociedade Bíblica do Brasil 2009.
Bíblia sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil 2 ed Barueri SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 1988, 1993.

Arquivado em: Bíblia