Provérbios

“Filho meu, atenta para as minhas palavras; às minhas razões inclina o teu ouvido. Não as deixes apartar-se dos teus olhos; guarda-as no íntimo do teu coração. Porque são vida para os que as acham, e saúde para todo o seu corpo. Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida. Desvia de ti a falsidade da boca, e afasta de ti a perversidade dos lábios. Os teus olhos olhem para a frente, e as tuas pálpebras olhem direto diante de ti. Pondera a vereda de teus pés, e todos os teus caminhos sejam bem ordenados! Não declines nem para a direita nem para a esquerda; retira o teu pé do mal” (Pv. 4:20)

A Bíblia faz referencia ao rei Salomão como o rei mais sábio da história de Israel. Salomão ora ao Senhor: “Dá, pois ao teu servo coração compreensivo para julgar a teu povo para que prudentemente discirna entre o bem e o mal, pois quem poderia julgar a este grande povo?” (IRs 3:9)  e a autoria da maioria deste livro é atribuída a ele, e há suspeita de que além de seus próprios ensinamentos, Salomão tenha editado provérbios de outros escritores.

Este livro do Antigo Testamento data de cerca de 900 AC e evidencia o contexto do reinado de Salomão, quando a nação de Israel atingiu o seu auge economicamente e graças a essa fartura política e cultural, pode crescer espiritualmente, após a reconstrução do templo. Entre os 31 capítulos é fácil entender porque outros governantes contemporâneos de Salomão vieram de longe para ouvi-lo falar, como foi o caso da visita da rainha de Sabá, que além de testificar que verdadeiramente Salomão era rico em sabedoria e excelente líder, trouxe como oferta para o rei especiarias nunca antes vistas naquela região.

As passagens não trazem um personagem principal, e o objetivo é orientar o povo a ter uma via sábia, e neles estão conselhos sobre os mais diversos temas, como trabalho, honestidade, alimentação, cautela, amizade, vizinhança, governo, vida, morte, falar, gesticular, família, arrependimento, fidelidade, vigilância, finanças, preguiça, adultério, pecado, justiça, velhice, juventude, exemplos da natureza, virtude, saúde, entre outros.

Entre os provérbios que se popularizaram estão “O temor do SENHOR é o princípio do saber, mas os loucos desprezam a sabedoria e o ensino” (Pv 1:7); “Filho meu, se ficaste por fiador do teu companheiro, e se te empenhaste ao estranho, estás enredado com o que dizem os teus lábio, estás preso com as palavras da tua boca” (Pv 6:1); “ Como jóia de ouro em focinho de porco, assim é a mulher formosa que não tem discrição” (Pv 11:22).    

Bibliografia:
A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, e estudo. 2 ed, Barueri SP: sociedade Bíblica do Brasil 2009.
Bíblia sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil 2 ed Barueri SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 1988, 1993.

Arquivado em: Bíblia