Albert Camus

Ensino Superior em Comunicação (Universidade Metodista de São Paulo, 2010)

Albert Camus foi um admirado escritor, jornalista e dramaturgo de origem argelina. Ficou conhecido por agregar reflexões existencialistas em suas publicações, sendo considerado por muitos como um filósofo. Recebeu o Prêmio Nobel de Literatura em 1957 pelo conjunto de sua obra.

Albert Camus. Foto: Wikimedia Commons

Nascido durante a ocupação francesa em Dréan (antiga Mondovi) na Argélia, no dia 7 de novembro de 1913, Camus era filho de camponeses e perdeu seu pai quando tinha apenas um ano. Cresceu enfrentando privações e pobreza, enquanto paralelamente nutria uma grande paixão por futebol. Conseguiu seguir seus estudos e concluir licenciatura e doutorado em Filosofia.
Foi impedido de lecionar pela tuberculose que contraiu em 1930. Em busca de curar sua condição pulmonar saiu em viagem à Europa, de onde viriam as inspirações de suas futuras primeiras obras, as coletâneas “O Avesso e o Direito” de 1937 e “Noces” de 1939.

Em 1934 passou a integrar o Partido Comunista Francês e também o Partido do Povo da Argélia, escrevendo para jornais revolucionários. Camus era um entusiasta do teatro e fundou a companhia L’Equipe, onde atuava como ator e diretor. Algumas das peças que montou foram censuradas, como a “Revolta das Astúrias” em 1936.

Em 1938 mudou-se para a França, onde estreitou relações com o filósofo Jean-Paul Sartre e juntos fundaram o jornal de esquerda “Combat” em 1941. No ano de 1942, em plena Segunda Guerra Mundial, Albert Camus publica seus mais notáveis romances: “O Estrangeiro” e “O Mito de Sísifo”. O conceito do absurdo da existência humana estava presente nas duas obras, mostrando ao público a condição humana frente às diversas provações da vida.

Com essa conotação, Camus pontuava sua presença marcante no campo da filosofia, questionando os anseios e os abismos que existem entre a felicidade e o sofrimento. Essa importante característica de sua obra deu origem ao movimento conhecido posteriormente como “estética do absurdo”.

Com o fim do regime nazista, duas peças de sua autoria ganharam destaque: “O Mal Entendido” de 1944 e “Calígula” de 1945. No ano seguinte o autor foi aos Estados Unidos, onde recebeu uma recepção ambígua: admiração dos universitários e frieza das autoridades americanas.

Em 1947 publicou “A Peste”, romance que foi traduzido para o português por Graciliano Ramos. Entre julho e agosto de 1949, o escritor realizou uma viagem à América do Sul para proferir conferências e visitou o Brasil. Foi recebido com honras pelo adido cultural francês e por Oswald de Andrade, fazendo questão de assistir uma partida de futebol.

Como historiador e filósofo publicou em 1951 “O Homem Revoltado”, obra complexa que atinge o ápice de sua posição filosófica, abordando a revolta metafísica e a histórica. Existe a crença de que essa publicação teria ocasionado sua ruptura com Sartre, por contestar ideologias do comunismo e do marxismo. Na época Camus recebeu uma espécie de “linchamento literário”, tendo suas obras taxadas de conservadoras pelo grupo de intelectuais franceses.

Em 1956 publicou o romance “A Queda”, ironizando a convicção de que a humanidade é má. Em 1957 foi premiado com o Nobel de Literatura, pela reflexão dos conflitos humanos presente em suas obras.

Albert Camus destacou-se com sua ótica sagaz e posicionamento frente aos acontecimentos mundiais e sociais. Faleceu no dia 4 de janeiro de 1960 vítima de acidente de automóvel em uma estrada de Villeblevin, na França.

Entre os destroços do veículo foi encontrada uma maleta com as primeiras provas de um romance autobiográfico intitulado “O Primeiro Homem”. Curiosamente, em uma das notas havia a informação de que o livro deveria terminar inacabado. A obra foi publicada pela editora Gallimard em 1994. O corpo de Albert Camus está sepultado no cemitério Lourmarin em Vaucluse, França.

Fontes:

http://www.culturart.pt/2015/11/07/efemeride-albert-camus/

https://razaoinadequada.com/filosofos/camus/

https://www.ebiografia.com/albert_camus/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Albert_Camus

https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2017/09/3-ideias-que-vao-te-introduzir-albert-camus-e-filosofia-do-absurdo.html