Alphonsus de Guimaraens

Graduada em Letras - Literatura e Língua Portuguesa (UNIABEU, 2015)

Filho de Albino da Costa Guimarães; comerciante e de Francisca de Paula Guimarães Alvim, descendente da família do poeta e romancista Bernardo Guimarães, Afonso Henriques da Costa Guimarães (pseudônimo Alphonsus de Guimaraens) nasceu em Ouro Preto, no dia 24 de Julho de 1870. O poeta, ainda na sua mocidade, tornou-se noivo de Constança, que faleceu precocemente devido à doença de tuberculose. Tal perda afetou sua escrita de certa forma que em todas as suas obras se encontra marcas do sofrimento de tê-la perdido. Na cidade em que nasceu, iniciou no curso de Engenharia, entretanto, não o concluiu, pois levava uma via boêmia. Transferiu-se para São Paulo, em 1890, e ingressou na Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Durante o curso de bacharelado, foi colaborador nos jornais “Comércio de São Paulo; Diário Mercantil; O Estado de S. Paulo; Correio Paulistano e A Gazeta”. Alphonsus voltou a Ouro Preto, em 1894, e somente lá concluiu o seu curso de bacharelado em Direito na Faculdade Livre de Direito de Minas Gerais. No ano seguinte ao de sua formação, viajou até o Rio de Janeiro, possivelmente para conhecer o poeta Cruz e Sousa.

Em apenas dois anos, no ano de 1897, o poeta casa-se com Zenaide de Oliveira, decorrente desta união geram 14 filhos, dos quais dois tornaram-se escritores; João Alphonsus e Alphonsus de Guimaraens Filho.

Alphonsus de Guimaraens é nomeado promotor de Conceição de Serro e algum tempo depois Juiz em Mariana, Minas Gerais, onde reside definitivamente até a sua morte. Por volta dos 29 anos, em 1899, o poeta publica seus primeiros livros de poemas. “Setenário das Dores de Nossa Senhora”, “Câmara Ardente” e “Dona Mística”.

Muitas de suas obras foram divulgadas depois de ocorrer seu falecimento, entretanto, Alphonsus lançou “Kiriale” com poesias com características do Simbolismo e “Mendigos”, um livro de crônicas, antes de sua morte.

Misticismo, morte, religiosidade, culto ao amor, tons que marcaram a vida do poeta são facilmente encontrados em suas obras de estruturas clássicas e de teor religioso. O poeta, cronista e advogado faleceu no dia 15 de Julho de 1921, deixando a marca de ser um dos principais poetas do Simbolismo no Brasil.

Principais Obras:

  • Septenário das Dores de Nossa Senhora e Câmara Ardente (1899)
  • Dona Mística (1899)
  • Kyriale (1902),
  • Pauvre Lyre (1921)
  • Pastoral dos Crentes do Amor e da Morte (1923)
  • A Escada de Jacó (1938)
  • Pulvis (1938)
  •  Os Mendigos (1920)
  • Nova Primavera (1838), de Heine.

Referências:

Itaú Cultural enciclopédia. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa2945/alphonsus-de-guimaraens>

Biografias UFCG. Disponível em: <http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/AfonHCGu.htm>

Global editora – Biografias. Disponível em: <http://globaleditora.com.br/autores/biografia/?id=1784>

Arquivado em: Biografias, Escritores