Daniel Pellizzari

Daniel Pellizzari nasceu na cidade de Manaus (AM) em 1974. Além de escritor, trabalha como editor e tradutor. Mudou-se ainda pequeno para Porto Alegre (RS), local em que cresceu e fundou a editora Livros do Mal com Guilherme Pilla e Daniel Galera. Através dela, conseguiu publicar as obras "O livro das cousas que acontecem" (2002) e "Ovelhas que voam se perdem no céu" (2001), dois volumes de contos. Pellizzari também publicou o livro "Dedo negro com unha" pela DBA no ano de 2005. Sete anos depois, o escritor lançou por meio do site da Livros do Mal a antologia "Melhor seria nunca ter existido". Fora isso, traduziu livros de autores como David Mitchell, William S. Burroughs e David Foster Wallace.

O escritor iniciou a publicação de seus textos em algumas antologias no começo dos anos 1990. Porém, somente em 1995 Pellizzari conseguiu ampliar a divulgação do seu trabalho através da internet, que teve acesso comercialmente liberado no Brasil naquele ano. Desta forma, começa a lançar seus livros online, sendo considerado um dos brasileiros que precedeu a utilização da web como laboratório e vitrine de discussão literária. Em 1996 começou a estudar Criação Literária com Luiz Antonio de Assis Brasil, professor universitário e escritor brasileiro.

No período que envolve os anos de 1998 e 2001, Daniel Pellizzari tornou-se um dos escritores do finado grupo CardosOnline, fanzine digital que ficou famoso naquela época, sendo considerado uma das publicações online com maior tiragem no país. Neste contexto, o escritor consegue levar seu conteúdo a uma fatia maior de leitores.

O último trabalho de Daniel Pellizzari foi publicado pela editora Companhia da Letras. O título do romance é "Digam a satã que o recado foi entendido", parte da coleção Amores Expressos. Escrita em Dublin (Irlanda) a obra é narrada por diversos personagens criados pelo autor e um de seus pontos altos é um capítulo inteiro reservado para um irlandês bruto (viciado em games) chamado Barry. Entre outros temas, o livro aborda uma agência de turismo com especialidade em locais mal-assombrados, terroristas nerdões, seitas horripilantes e outros becos escuros de Dublin.

Como redator do Instituto Moreira Salles, publicou um perfil da escritora e musa pornô Sasha Gray. Assina também uma coluna sobre games no jornal Folha de São Paulo. Atualmente, Pellizzari mora na capital de São Paulo.

Fontes:
PELLIZZARI, Daniel. Digam a satã que o recado foi entendido. 1ª edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.
http://www.cabrapreta.org
http://www.qualquer.org/col/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Daniel_Pellizzari
http://oglobo.globo.com/cultura/digam-sata-que-recado-foi-entendido-de-daniel-pellizzari-retrata-uma-dublin-caotica-9001754

Arquivado em: Biografias