Frederico III, Sacro Imperador Romano-Germânico

Frederico III, Sacro Imperador Romano-Germânico, nasceu no dia 21 de setembro do ano de 1415 e faleceu no dia 19 de agosto do ano de 1493. O apelido do monarca era “Lábio Grosso” e, entre outros títulos, ele também foi  Frederico do Tirol e Frederico V da Áustria.

Assim como seu filho, o pai de Frederico III, Ernesto I (O Leão), também foi um membro da monarquia com muitos títulos como: Duque da Estíria ou Steiermark e Duque da Caríntia (1411), Arquiduque, Landgrave da Alta Alsácia, Conde de Habsburgo, de Kyburg, do Tirol e de Ferrete (1414) e Duque da Áustria e da Carniola (1406).

No ano de 1392, o condecorado Ernesto I casou-se com Margarida, a filha do Duque da Pomerânia, Bogislas V. Porém, em 1410, tornou-se viúvo e, dois anos depois, matrimoniou-se com a filha do Duque da Masóvia, Zimburga, com quem teve nove filhos, entre eles, Frederico. A segunda esposa veio a falecer no ano de 1492.

Após o falecimento de seu pai, Frederico III, que naquele período ainda vivia com o Conde do Tirol, seu tio, governou a Caríntia e a Estíria junto a Alberto, seu irmão, a partir de 1424. Seu irmão faleceu em 1463, mas Frederico continuou governando e centralizou o poder. Com o falecimento do irmão, Frederico foi coroado, no ano de 1440, em Frankfurt e, dois anos depois, em Aix-la-Chapelle e Aachen. Como era o componente com idade mais avançada da casa de Habsburgo, era o responsável e o guardião de Sigismundo do Tirol e de Ladislau, que herdou Áustria, Hungria e Boêmia.

Frederico III, imperador, foi laureado no território romano no dia 19 de março do ano de 1452 por intermédio do Papa Nicolau V. Foi, também, o último monarca coroado em Roma.

No ano de 1486, Frederico III não concordou com a coroação do filho para suceder-lhe no reinado de Roma. Desta forma, partiu para Linz, localidade em que se dedicou ao estudo da astronomia, alquimia e da botânica. De acordo com alguns historiadores, foi um monarca limitado e indolente, mas uma pessoa com excelentes qualidades fora do poder. No ano de 1490, Frederico III unificou todos os territórios pertencentes aos Habsburgo.

Naquela época, o papel imperial ainda era visto de forma messiânica e mitológica. Frederico III acabou simbolizando o mito do imperador derradeiro, que, em sua missão final, exterminaria os muçulmanos, voltaria a Jerusalém e uniria novamente os povos. Com a expansão dos otomanos e a separação da cristandade, estes mitos ganharam força e perduravam por muito tempo.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Frederico_I,_Sacro_Imperador_Romano-Germ%C3%A2nico
https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/12680/1/Maria%20Helena%20da%20Cruz%20Coelho%2036%20vol1.pdf
http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/RPruGu02.html

Arquivado em: Biografias