Glauber Rocha

Ouça este artigo:

Glauber Rocha foi um cineasta brasileiro considerado um dos nomes mais importantes do Cinema Novo. Ele nasceu em 1939 na Bahia, Vitória da Conquista. Abandonou o curso de Direito, em Salvador, para trabalhar como crítico de cinema e documentarista.

Glauber dirigiu seu primeiro curta-metragem, O Pátio, em 1959. Em Barravento (1962), lançou seu primeiro longa-metragem protagonizado pelos atores Antonio Pitanga e Aldo Teixeira. Tornou-se o líder de um movimento que almejava produzir um cinema autenticamente nacional, de autor, voltado para a temática social e cuidado com a linguagem.

Glauber Rocha.

Estética da fome

Seus filmes não tiveram êxito comercial. Glauber Rocha nunca foi popular, mesmo tendo feito um cinema que representava o povo. Suas obras mostravam a fome da população, a opressão, a exploração econômica e a alienação tomada pelo misticismo religioso. Outra característica marcante em seus filmes é a busca constante por um messias salvador. No cinema de Glauber Rocha, religião e política institucional andam de mãos dadas em um populismo desenfreado. Uma de suas frases mais célebres é: “nossa maior miséria é que esta fome, sendo sentida, não é compreendida”.

Reconhecimento Internacional

Foi premiado no Festival de Cinema Livre de Porreta, na Itália por seu filme “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1964). Na França, ele recebeu o prêmio Luís Buñuel, no Festival de Cannes, por “Terra em Transe”, de 67. Na década de 70, Glauber filmou no Quênia, África, ‘’O Leão de Sete Cabeças’’, e na Espanha, ‘’Câncer’’ e ‘’Cabeças Cortadas’’, que teve sua exibição censurada no Brasil até 1979.

Outras obras

Ainda produziu o documentário, “As Armas e o Povo”, sobre a revolução de 25 de abril de 1974 na Portugal dominada pelo fascismo de Salazar. Publicou o romance “Riverão Sussuarana” em 1977. Documentou Di Cavalcanti e Jorge Amado (1976) e “A Idade da Terra”, de 1980, seu último filme.

O Cinema Novo

Em meio a uma cultura dominada por superproduções hollywoodianas, surge nos anos 60 o Cinema Novo (1960-1972). Era um movimento cinematográfico brasileiro com influência do neorrealismo italiano, da nouvelle vague francesa e também do cinema soviético, de Eisenstein. Com produções de poucos recursos, o Cinema Novo era feito como uma força de resistência, “uma câmera na mão e uma ideia na cabeça” era seu lema. Durante o período, a produção dos países de Terceiro Mundo tinha a mesma tônica.

No Brasil, os cineastas do Cinema Novo faziam parte do Centro Popular de Cultura (CPC), entidade ligada a UNE (União Nacional de Estudantes), tendo Glauber Rocha como um dos fundadores.

A partir de 1964, em uma tentativa de aproximação ao público, foi lançado “Garota de Ipanema” de Leon Hirszman (1968), dialogando diretamente com a classe média. Em sua última fase, o Cinema Novo foi descrito como canibal-tropicalista, vide os filmes: “Como Era Gostoso o Meu Francês” (1971), de Nelson Pereira dos Santos, “Macunaíma” (1969), de Joaquim Pedro de Andrade, entre outros.

Durante este período, Glauber Rocha exilou-se em 1971, devido o acirramento da perseguição do regime militar brasileiro, realizando diversos filmes e documentários fora do país.

Fontes:

SILVA NETO, Antônio Leão da. Dicionário de filmes brasileiros: Longa-metragem. São Paulo: Ed. do Autor, 2002.

(CPDOC – Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil) www.cpdoc.fgv.br/producao/

http://revistadecinema.com.br/2016/11/glauber-e-o-cinema-novo/

https://www.rosebud.club/post/15052020

Arquivado em: Biografias, Cinema