Juan Domingo Perón

Juan Domingo Perón nasceu no dia 8 de outubro de 1.895, em Buenos Aires, Argentina. Ao completar 16 anos ingressou no Colégio Militar, onde se formou subtenente da infantaria. Continuou seus estudos na Escola Superior de Guerra, lugar onde concluiu seus estudos, em 1.922.

Em 1.945, tornou-se vice-presidente da Argentina e Ministro da Guerra e, aos poucos, foi ganhando notoriedade e respeito, sobretudo pelo apoio que obteve dos trabalhadores não privilegiados (chamados de descamisados) e por sua popularidade e autoridade no exército.

No dia 9 de outubro de 1.945, Perón foi destituído do seu cargo por um levante civil e militar que o pôs na cadeia, provocando uma crise no governo. Eva Duarte e líderes sindicalistas reuniram os trabalhadores da grande Buenos Aires e exigiram sua libertação. Diante da enorme multidão, os militares não tiveram outra opção senão libertar Perón, no dia 17 de outubro do mesmo ano. Neste dia, Perón discursou para 300.000 pessoas e suas palavras foram retransmitidas pelo rádio para todo o país. Em seu discurso prometeu ao povo argentino a realização de eleições que estavam pendentes e construir uma nação forte e justa. Dias depois, casou-se com Evita (como era popularmente chamada Eva Duarte), que o ajudou a dirigir o país nos anos que se seguiram.

Depois de uma campanha violenta e repressiva, a chapa formada por Perón e Quijano ganhou as eleições de 1.946 com 56% dos votos. Perón exerceu seu mandato durante 6 anos. Durante esse período, estatizou a rede ferroviária, a produção de gás, o Banco Central, a telefonia e algumas companhias de eletricidade. Naquele período, a indústria cresceu, as importações foram reguladas, o emprego e os salários cresceram (graças a um importante aumento do consumo). Por outro lado, foram dados vários benefícios aos trabalhadores, tais como: aposentadoria, férias remuneradas, seguro médico e cobertura para os acidentes de trabalho. Foi estabelecido o voto feminino e a reeleição presidencial. Perón adotou uma forte política anti-britânica e anti-estadunidense.

Perón foi reeleito em 1.951, momento em que modificou algumas de suas políticas. Em 1.952, Evita morre e Perón foi afastado do seu cargo por um golpe militar. Perón se estabelece em Madri, onde, em 1.961, se casou novamente com Maria Estela Martinez. Durante seu 18 anos de exílio, Perón manteve sua influência política na Argentina.

O regime militar do General Alejandro Lanusse (que tomou o poder em março de 1.971) proclamou sua intenção de restaurar a democracia (no final de 1.973) e permitir o restabelecimento dos partidos políticos, incluindo o partido peronista. Depois de um convite do governo militar, Perón regressa à Argentina, em 1.973, e, no mês de outubro, foi eleito presidente novamente, com sua esposa, Isabel Perón, como vice-presidente.

Sua terceira gestão foi curta, Perón faleceu no dia 1º de julho de 1.974. Isabel Perón assumiu a presidência, mas foi destituída pelos militares em 1.976.

Arquivado em: Argentina, Biografias