Masamune

Um dos maiores ferreiros da história no Japão foi Masamune Okazaki. A maior parte do trabalho de Masamune foi realizado feito durante os séculos XIII e XIV, e a maioria dos historiadores japoneses afirmam que Masamune viveu na província de Sagami. Suas obras mais famosas são as espadas Tachi e adagas Tanto. Suas obras são reconhecidas como as melhores existentes, tanto que foi criado um prêmio chamado Masamune, é dado como reconhecimento aos melhores ferreiros na criação de espadas excepcionais.

Masamune OkazakiMasamune Okazaki aprendeu a arte da produção de espadas com Shintogo Kunimitu. Ele muitas vezes produzia lâminas com uma linha de temperamento reta. A espadas de Masamune podem ser distinguidas por linhas cinzas, denominadas "chikei", que se assemelham ao raio chamado kinsuji.

Masamune é conhecido por ter sido o mais famoso fabricante de espadas japonesas de todos os tempos. As espadas de Masamune têm uma sólida reputação de qualidade superior e beleza. Ele é considerado responsável por trazer a perfeição à arte de "nie", na qual cristais martensíticos são incorporados em matriz de perlita. Acredita-se que se assemelham a estrelas no céu noturno.

Assim como na música há clássicos como Bach e Beethoven, na produção de espadas japonesas existem alguns nomes que estão associados com perfeição, requinte e arte. As de Masamune é definitivamente fazem parte deste grupo. São famosas pela qualidade e originalidade, além de serem consideradas um exemplo da arte da espada. O que é mais surpreendente é que no século XIII não havia quaisquer ferramentas sofisticadas de forjamento e aço para a fabricação de espadas. No entanto, muitos fabricantes de espada, hoje, não têm candição de competir com espadas Masamune quando se trata de elegância, nie (cristais martensíticos em perlita) e o que é mais importante: qualidade.

Talvez as espadas mais populares criados por Masamune são as Honjo Masamune. Elas se tornaram o símbolo do shogunato Tokugawa, e é altamente considerada como uma das melhores espadas japonesas que já foram criadas. Foi declarada como um tesouro nacional em 1939.

O nome da espada foi cunhado após Honjo Shigenaga ganhá-la em uma batalha. Umanosuke tomou posse da espada e dividiu o elmo de Shigenaga com a lâmina. Na virada dos acontecimentos, Shinenaga sobreviveu e levou as espadas como prêmio depois de matar Umanosuke. Ele conseguiu manter a espada, mas teve que vendê-la. Toyotomi Hidetsugu, sobrinho de Toyotomi Hideyoshi, comprou a espada e passou-a a seu tio que mais tarde iria passá-la para shoguns futuros, incluindo Tokugawa Ieyasu, Tokugawa Yorinobu e Tokugawa Ietsuna. Ietsuna foi o último dos shoguns Tokogawa. A espada então permaneceu em sua família. A espada foi logo transmitida através da linha até a Segunda Guerra Mundial. Foi quando Tokugawa Iemasa entregou a espada para uma delegacia de polícia, juntamente com quatorze outras. Estas espadas foram então passadas para os membros da 7ª cavalaria em 1946.

Existem algumas espadas Masamune fora do Japão. Após a Segunda Guerra Mundial, o governo do Japão ofereceu uma Masamune ao presidente Harry Truman, como uma demonstração de solidariedade e de paz entre os dois países. Esta espada está em exposição na Biblioteca Presidencial Truman.

A arte de fazer espada no Japão tem vivido um ressurgimento. Uma organização foi formada para preservar a produção artística da espada e promover a valorização do katana. A Nihon Bijutsu token Hozon Kyokai (Sociedade para a Preservação das Espadas arte japonesa), foi fundada em 1960 e está sediada em Tóquio. O grupo realiza um concurso anual onde ferreiros fabricam espadas. Um painel de 15 juízes avalia a obra. Os juízes são divididos em uma variedade de categorias: ferreiros, polidores, avaliadores e os decidem o resultado do concurso.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Masamune
http://janettedillerstone.wordpress.com/2010/01/09/masamune-okazaki-the-greatest-swordsmith-in-japans-history/
Foto: http://mediawiki.arts.kuleuven.be/geschiedenisjapan/index.php/Masamune_Okazaki_-_(%E6%AD%A3%E5%AE%97)

Arquivado em: Biografias