Roberto Alvim

O dramaturgo Roberto Alvim, nascido em 1973, apaixonou-se pela literatura quando tinha apenas 8 anos e se deparou, entre os livros de seus pais, com a obra Histórias Extraordinárias, do norte-americano Edgar Allan Poe. As portas para o universo literário abriram-se então para o menino que se transformaria no criador e diretor de pelo menos 16 peças, levadas aos palcos cariocas, paulistas, franceses, suíços e argentinos.

Após uma jornada na esfera teatral como diretor precocemente reconhecido e premiado, logo depois de concluir sua formação na Casa das Artes de Laranjeiras – a CAL-, no Rio de Janeiro, Roberto subitamente retrocedeu, deixou de lado sua carreira e, aos 22 anos, entrou em um processo de busca interior através de práticas meditativas.

Ele radicalizou sua escolha refugiando-se numa cabana em pleno sertão piauiense, ao longo de 21 dias, sem contato com ninguém, comendo e bebendo apenas o suficiente para sobreviver. Retornou ao seio familiar, mas deu sequência ao mesmo estilo de vida, até receber um convite, um ano e meio depois de sua repentina mudança de caminho, para voltar à direção teatral. Sem saber bem porque, Roberto decidiu retomar sua trajetória profissional.

Pouco tempo depois Alvim deu início a sua atuação como professor de História do Teatro e de Literatura Dramática na CAL, aí permanecendo de 2000 a 2004. Seguindo suas tendências precoces, tornou-se diretor artístico do Teatro Carlos Gomes quando tinha apenas 27 anos, assumindo logo após a mesma função no Teatro Ziembinski, em terras cariocas, de 2005 a 2007.

Neste período Roberto se devotou à propagação da nova safra dramatúrgica brasileira, estimulando a leitura de textos teatrais, representações e cursos dedicados ao desenvolvimento do texto próprio da dramaturgia. Essa iniciativa permitiu que nomes como o de Pedro Brício e outros emergissem na cena contemporânea.

Em 2006 Alvim transferiu-se para São Paulo com a intenção de se unir à atriz Juliana Galdino. Neste momento ambos se uniram também profissionalmente, instituindo a companhia Club Noir. No interior deste grupo, que visa revelar novos dramaturgos brasileiros, por meio de encenações que mergulham fundo em um estilo conhecido como estética da penumbra, Roberto vem utilizando o palco como um meio de representar a escuridão caótica, que é estruturada através do poder da palavra.

Enquadram-se nesta estética as peças A Terrível Voz de Satã, de Gregory Motton, e O Quarto, do irlandês Harold Pinter, com a qual Roberto conquistou o prêmio de melhor espetáculo no 5º Prêmio Bravo! Prime de Cultura. No Rio de Janeiro ele encenou, entre outros, PELECARNESANGUEOSSOS, Todas as Paisagens Possíveis, Qualquer Espécie de Salvação, Às Vezes É Preciso Usar um Punhal para Atravessar o Caminho.

Ao lado de Antonio Araújo, do Teatro da Vertigem, e de Enrique Diaz, Roberto integra a geração teatral apta a substituir a antecedente, composta pelos diretores Antunes Filho, José Celso Martinez Corrêa e Gerald Thomas. Alvim se destaca pela forma como manipula a palavra e seu inerente poder, como se vê nas duas peças produzidas no Club Noir – Homem Sem Rumo, de Arne Lygre, dramaturgo norueguês, e Anátema, de Roberto Alvim -, e pelo uso singular das luzes, com a preponderância, mais recentemente, das sombras.

Fontes:
http://www.sesipr.org.br/nucleodedramaturgia/FreeComponent9544content77130.shtml
http://bravonline.abril.com.br/conteudo/teatroedanca/roberto-alvim-teatro-penumbra-523857.shtml
http://www.confrariadovento.com/revista/numero6/alvim.htm

Arquivado em: Biografias