Eosinófilos

Pós-Doutorado Ciências Biológicas (UNESP, 2013)
Doutorado em Ciências Biológicas (UNESP, 2009)
Graduação em Ciências Biológicas (UNESP, 2005)

Os eosinófilos, ou também conhecidos como acidófilos, são células do sistema imunológico responsáveis pela ação contra parasitas multicelulares e certas infecções nos vertebrados. Eles constituem uma pequena porcentagem (1-3%) dos leucócitos granulócitos circulantes de indivíduos normais sendo que em um adulto são encontrados entre 0 e 400 eosinófilos por milímetro cúbico de sangue. Tanto em parasitoses e casos de alergia há um aumento no número de eosinófilos, também chamado de eosinofilia.

Este tipo celular diferencia-se a partir de células precursoras da medula hematopoética e, quando totalmente diferenciadas, migram para o sangue. Uma vez na corrente sanguínea, os eosinófilos têm como principal destino os tecidos, o que faz que para cada eosinófilo encontrado na corrente sanguínea existam entre 100-1000 células nos diferentes tecidos.

Os eosinófilos possuem diâmetro médio de 10-15μm e são encontrados nas principais classes de vertebrados. Seu núcleo é geralmente bilobulado e apresenta cromatina condensada enquanto que seu citoplasma possui retículo endoplasmático, mitocôndrias e complexo de Golgi pouco desenvolvidos e uma grande quantidade de grânulos específicos que chegam a preencher cerca de um quinto do volume citoplasmático.

O eosinófilo recebe este nome devido a presença de granulações ovóides acidófilas que são coradas pela eosina e/ou outros corantes ácidos e foi utilizado pela primeira vez por Paul Ehrlich, em 1879. Essas granulações são maiores do que as encontradas nos neutrófilos e medem entre 0,5 e 1,5μm no seu maior eixo. Quando observados ao microscópio eletrônico de transmissão, encontramos no interior destes grânulos um cristalóide elétron-denso alongado rico em arginina denominado internum. O internum é circundado por uma matriz com menor elétron-densidade chamada extermun.

O cristalóide (internum) é constituído por uma proteína chamada proteína básica principal que é rica em resíduos de arginina, enquanto que na matriz do grânulo (externum) encontram-se a peroxidase eosinofílica, ribonucleases conhecidas como proteína catiônica dos eosinófilos e a neurotoxina derivada dos eosinófilos, além de outras proteínas com atividade enzimática, interleucinas e fatores de crescimento. As proteínas expressas pelos eosinófilos exercem atividade de defesa contra vermes, como, por exemplo, o Schistosoma mansoni, protozoários, bactérias e vírus.

Ao contrário dos neutrófilos, os eosinófilos não são células especializadas para a fagocitose de microrganismos, este tipo celular realiza a sua atividade defensiva liberando, de maneira seletiva, o conteúdo de seus grânulos para o meio extracelular e pela fagocitose e digestão de complexos antígenos-anticorpos.

Bibliografia

Histologia básica I L.C.Junqueira e José Carneiro. - [12 . ed]. - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

Hernadez F Carvalho, Carla Beatriz Collares Buzato. Células: Uma abordagem multidisciplinar. Editora Manole, 2005

Abraham L. Kierszenbaum. Histologia e Biologia celular, Uma introdução à patologia. 3ª edição. Elsevier, 2012

http://www.icb.usp.br/mol/10-menumod10.html

Arquivado em: Citologia