Pérsia

A origem do nome Pérsia remete a uma região do sul do Irã chamada de Parsa ou Persis. Com o passar do tempo, o termo Pérsia começa a ser usado pelos gregos da era clássica e pelos ocidentais para se referir a toda planície do Irã. Apesar disso, o povo que habitava a região a denominava como Irã (terra dos ários). Apenas no ano de 1935 o governo do país começou a utilizar o nome Irã oficialmente. Quatorze anos depois (1959), os dois nomes passam a ser aceitos para se referir à região.

Esta complicação quanto à utilização dos nomes tem a ver com fatores históricos que ocorreram naquela área. Apesar de não ser utilizado pelos habitantes do local, o nome Pérsia faz referência direta ao Império Persa, dinastias históricas que controlaram a Pérsia em diversos períodos. Este império foi fundado pelos persas na cidade de Anshan, atualmente a província Fars (Irã), e foi, posteriormente, liderado por uma sucessão de dinastias, tanto persas quanto estrangeiras, que governavam a região e os territórios do entorno.

No ano de 1500 a.C., a planície do Irã foi ocupada pelas tribos árias, que tinham os medos como etnia mais importante. Os medos ocuparam a parte do noroeste e dominaram os persas. Os persas somente se livraram do domínio dos medos quando Ciro, o Grande, derrotou-os. Após vencer a batalha contra os medos, Ciro conquistou o reino da Lídia, Babilônia e fez com que o império Persa dominasse a planície. Em 521 a.C., Dario deu continuidade às conquistas de Ciro expandindo as fronteiras persas e derrotando os jônios gregos. Já em 490 a.C., Dario sofre um revés na batalha de Maratona, ocorrida durante a Primeira Guerra Médica. Xerxes I, seu filho, tentou vingar o pai invadindo a Grécia, mas também foi derrotado.

Em seu período áureo, os persas praticavam diversas atividades que são realizadas até hoje. Entre elas destacam-se a mineração de pedras preciosas e metais, metalurgia, agricultura, artesanato, pesca, entre outros. Além disso, construíram estradas de pedra, eram excelentes comerciantes e criaram o dário, moeda corrente no enorme território dos persas.

Do ponto de vista bélico, os persas foram um exemplo de força e organização. O poder de seu exército era tão respeitado que eles ficaram conhecidos como Imortais. Isso se deve  ao fato de que o exército persa parecia não diminuir nunca. Entre os 10.000 homens que compunham suas fileiras, caso um falecesse, um substituto já ocupava seu lugar mantendo o mesmo número do contingente. Uma curiosidade é que o exército persa utilizava elefantes para guerrear.

Fontes:
PAGDEN, Anthony. Povos e impérios – uma história de migrações e conquistas, da Grécia até a atualidade. Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ciro_II_da_P%C3%A9rsia
http://www.historiadomundo.com.br/persa/civilizacao-persa.htm
http://www.persiandna.com/his_cyrus.htm