Uma pessoa com baixa autoestima vai ter problemas para falar em público?

MBA em Comunicação Corporativa (Anhembi Morumbi, 2009)
Graduada em Fonoaudiologia (PUC-SP, 2005)

Falar em público envolve diversas habilidades de comunicação que podem ser adquiridas ao decorrer do tempo e através de estudos e prática. Por trás do receio que muitos têm de se expor, está a falta de autoconfiança, timidez e, sim, a baixa autoestima. Diante disso, para obter êxito, será preciso lidar primeiro consigo mesmo para que esses obstáculos não prejudiquem a oratória na sua vida profissional.

Vivido por muitos, o medo de falar em público pode estar mais relacionado às preocupações do ego, que expressam auto-foco e proteção. Nesse caso, o desejo de causar uma boa impressão e o receio sobre o que os outros irão pensar podem potencializar o nervosismo. Pensamentos automáticos negativos dominam, como: “as outras pessoas vão pensar que não sou capaz porque gaguejo quando estou nervoso” ou “todos vão perceber que não sou tão inteligente como eles imaginam”.

Foto: fizkes / Shutterstock.com

O que o medo de falar em público provoca no seu corpo?

Sabe-se que o corpo está estritamente relacionado à mente, por isso, quando a situação de falar em público é real, alguns sinais como a ansiedade e o pânico podem se apresentar. Esse ciclo vicioso causa uma batalha contra si mesmo, que gera dúvidas sobre o próprio potencial. Ao serem expressados de forma física, os sintomas podem aparecer nesses momentos em que a mente está alerta e, consequentemente, são amplificados.

Existem estratégias para diminuir esses efeitos. Pode parecer contraditório, mas a primeira é a de tentar controlar o medo de tais reações. O efeito de pensar que algo vai acontecer aumenta ainda mais a probabilidade de ocorrer. Aprender algumas técnicas respiratórias de forma lenta, controlada e voluntária é um recurso importante para a diminuição desses sintomas físicos desagradáveis.

Outra ótima maneira para ajudar nessa resolução é conectar-se às pessoas e ao seu propósito. Descentralizar-se das questões pessoais e olhar para o outro pode ajudar a esquecer as dificuldades. Quando estamos com medo, tudo gira em torno de nós e como os acontecimentos nos irão afetar, fazendo-nos esquecer o verdadeiro propósito de falar em público: compartilhar ideias e propostas.

Em busca de melhorar a comunicação, as técnicas de oratória são muito pertinentes. Geralmente, busca-se aprendê-las para falar em público, mas os resultados também aumentam a confiança e autoestima. Ao praticá-las e aprender como falar e se impor, é possível que você se surpreenda consigo mesmo ao mergulhar num processo de descoberta pessoal, dos outros e da vida.

Seja um aliado da sua mente!

O primeiro passo para enfrentar a baixo autoestima é, justamente, entendê-la. Aliás, é preciso saber exatamente contra o que se deve lutar. Tente encontrar a raiz de seu problema, geralmente ele até é o sintoma de um problema maior. Ao fazer um processo de introspecção, torna-se mais fácil ver o porquê da sua autoestima estar baixa.

Para aumentar a sua consciência e diminuir os pensamentos automáticos prejudiciais, incentive um diálogo consigo mesmo. Assim, você redireciona a sua atenção e, consequentemente, provoca a sensação de capacidade para executar a tarefa temida. Nesse caso, falar em público.

Um outro fator para questionar é a obsessão consigo mesmo. Se você passa o tempo todo se preocupando em não cometer erros, falar alguma besteira ou escorregar em nenhum momento, fique atento. As pessoas ao seu redor não estão fazendo o mesmo. É preciso praticar o perdão e aprender a se permitir, inclusive, a falhar.

Não subestime o quanto suas ideias e conteúdo são bons. A dificuldade de falar em público não é um determinante sobre o potencial de suas propostas. Por isso, não se esforce para se sabotar. Quando estiver se preparando para falar em público, lembre-se de que você é perfeitamente capaz de passar aquele conteúdo. O melhor jeito de adquirir a confiança necessária para enfrentar a baixa autoestima é aceitar ser quem é.

Ao tentar ser outra pessoa ou atender as expectativas do outro a falha é mais provável. Sempre terá alguém mais ou menos competente, mas sua característica é única e pode ser muito útil a todos, se você reconhecê-las, aceitá-las e aprender a dividi-las. Assim, ao invés de lutar contra a baixo estima, irá aprender a conviver com ela, aumentar sua confiança e, assim, falar em público será algo mais fácil.

Para falar em público, uma pessoa com baixa autoestima poderá ter mais dificuldades que alguém que não enfrenta esse problema. No entanto, com o acompanhamento e os cuidados necessários, é possível trabalhar a autoestima e, consequentemente, as habilidades de oratória!

Arquivado em: Comunicação