Miopatia Peitoral Profunda

A miopatia peitora profunda, também denominada doença do músculo verde, trata-se de uma desordem poligênica, caracterizada pela necrose do músculo supracoracóide de frangos de corte e de perus comerciais.

A causa desta moléstia é a isquemia local, resultante do exaustivo trabalho de melhoramento genético dessas aves, visando selecionar animais que possuem musculatura peitoral altamente desenvolvida. A limitação física imposta pela fáscia muscular leva à diminuição da oxigenação muscular durante a expansão do músculo que ocorre quando realizados exercícios físicos intensos, uma vez que durante estes a musculatura chega a aumentar 20% de seu tamanho original. Consequentemente, há destruição da arquitetura miofibrilar, condição irreversível e, por fim à necrose e degeneração muscular.

Clinicamente, esta desordem quase não leva a problemas, uma vez que não se encontra associada a nenhum agente infeccioso, ocasionando somente a estética da carne, fator que resulta em perdas econômicas em decorrência da condenação da carcaça ou da peça no abate. A musculatura afeta geralmente exibe colocação que varia de amarelo claro a verde-azulado, bem como uma textura fibrosa e seca, com aspecto edematoso.

Esta moléstia foi descrita pela primeira vez nos Estados Unidos, em Oregon, em criações de perus fêmeas com mais de 10 meses de idade. No Brasil, a miopatia peitoral profunda representa um problema real na linha de abate de frangos, levando a perdas econômicas consideráveis.

Fontes:
http://www.vetbiblios.pt/AVICULTURA/AVI_docs/miopatia_peitoral_profunda.pdf
http://www.aviagen.com/assets/Tech_Center/BB_Foreign_Language_Docs/Portuguese/junho2008-miopatiapeitoralprofunda.pdf

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Doenças animais