Síndrome da Sela Vazia

A síndrome da sela vazia trata-se de uma desordem, na qual a estrutura óssea na base do crânio, conhecido como sela túrcica, é maior do que o normal, com a hipófise encontrada em seu interior apresentando tamanho anormal.

Esta desordem comumente é descoberta durante testes para verificar a existência de transtorno hipofisário, quando imagens radiológicas apontam uma sela túrcica aparentemente vazia.

Existem dois tipos da síndrome da sela vazia:

  • Primária: quando um diminuto defeito anatômico acima da hipófise aumenta a pressão na sela túrcica, levando ao achatamento dessa glândula. Este tipo está relacionado à obesidade e hipertensão em mulheres. Este transtorno pode indicar a presença de hipertensão intracraniana idiopática.
  • Secundária: resulta da regressão da hipósfise no interior da sela túrcica, após uma lesão, cirurgia ou radioterapia. Clinicamente, indivíduos que sofreram redução da hipófise refletem a perda das funções desta glândula, como a parada dos ciclos menstruais, infertilidade, fadiga, intolerância ao estresse e infecções recorrentes.

Nas crianças, a síndrome da sela vazia pode estar relacionada ao início precoce da puberdade, à deficiência de hormônio do crescimento, a tumores na hipófise ou à disfunção dessa glândula.

Com exceção do caso de associação com outras desordens, o tratamento é somente de suporte e sintomático. Procedimento cirúrgico pode ser necessário em alguns casos.

Esta síndrome não coloca a vida de seu portador em risco, desde que seja controlada de forma adequada.

Fontes:
http://www.tuasaude.com/sindrome-da-sela-vazia/
http://www.ninds.nih.gov/disorders/emptysella/emptysella.htm
http://www.webmd.com/brain/empty-sella-syndrome

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Síndromes