Atividades físicas recomendadas pela OMS

Graduação em Educação Física (Unesp, 1999)
Mestre em Ciências da Motricidade (Unesp, 2002)
Doutorado em Integração da América Latina (USP, 2013)

Ouça este artigo:

A Organização Mundial da Saúde é um órgão de abrangência mundial, cuja função está subordinada à Organização das Nações Unidas. Sua sede se localiza na Suíça. Um dos objetivos da OMS é zelar pela saúde da população mundial, por isso ela trata da questão sobre a atividade física de tempos em tempos.

Foto:r Uber Images / Shutterstock.com

Para iniciar, serão utilizadas as normas A Organização Mundial da Saúde – OMS – que conta com seis pensamentos importantes no que se refere à atividade física:

  1. “A atividade física é boa para o coração, corpo e a mente;
  2. Qualquer quantidade de atividade física é melhor do que nenhuma, e quanto mais, melhor;
  3. Toda atividade física conta;
  4. O fortalecimento muscular beneficia a todos;
  5. Muito comportamento sedentário pode ser prejudicial à saúde;
  6. Todos podem se beneficiar com o aumento da atividade física e a redução do comportamento sedentário.” (p.7)

As novas diretrizes da OMS recomendam entre 150 a 300 minutos de atividade física aeróbica moderada a vigorosa por semana para todos os adultos incluindo aqueles com doenças crônicas ou incapacidade. Soma-se a isso fortalecimento muscular duas vezes por semana. O manual também dá atenção para a substituição de grande quantidade de comportamento sedentário por mais atividade física, em qualquer que seja a intensidade.

Para o público adolescente, preconiza-se de uma média de 60 minutos por dia, em pelo menos 3 vezes por semana. Além de recomendar que crianças e adolescentes limitem a quantidade de tempo de comportamento sedentário em frente às telas.

Idosos, por sua vez, têm como meta 150 a 300 minutos de atividade física aeróbica de intensidade moderada. Ou, ao menos entre 75 a 150 minutos de atividade física vigorosa ao longo do período de uma semana.

Recomendações da OMS de boas práticas aos idosos:

  1. “Fazer alguma atividade física é melhor do que nenhuma;
  2. Se os idosos não atenderem às recomendações, fazer alguma atividade física proporcionará benefícios para a saúde;
  3. Idosos devem começar realizando pequenas quantidades de atividade física e aumentar gradualmente a frequência, intensidade e a duração ao longo do tempo;
  4. Idosos devem ser fisicamente ativos na medida que suas capacidades funcionais permitirem e ajustar o nível de esforço para atividades físicas relativas aos seus níveis de aptidão”. (p.13)

No que se refere às mulheres grávidas e no pós parto, também há recomendações para este público: ao menos 150 minutos de atividade aeróbia de intensidade moderada. A mulher deverá “incorporar uma variedade de atividades aeróbicas e de fortalecimento muscular. Adicionar alongamento leve também pode ser benéfico.” (p.14)

Em caso de adultos e idosos com condições crônicas, como por exemplo, pacientes sobreviventes de câncer, pessoas que convivem com hipertensão, pessoas que vivem com diabetes tipo 2 e pessoas que vivem com HIV, recomenda-se entre 150 a 300 minutos por semana de atividade física aeróbica de moderada intensidade ou, pelo menos, entre 75 e 150 minutos por semana de atividade física aeróbica de vigorosa intensidade.

Entre pessoas com deficiência, a OMS divide as orientações para atividade física entre crianças/adolescentes e adultos. No que se refere à crianças e adolescentes, preconiza-se ao menos 60 minutos por dia de atividade física de moderada à vigorosa intensidade, em pelo menos 3 dias da semana; Já os adultos com deficiência, orienta-se de 150 a 300 minutos de atividade física aeróbica de moderada intensidade ou de 75 a 150 minutos de atividade física aeróbica de intensidade mais vigorosa.

Fontes:

ORGANIZAÇÃO Mundial da Saúde. Num piscar de olhos: Diretrizes da OMS para atividade física e comportamento sedentário, 2020. Tradução de: Edina Maria de Camargo e Ciro Romelio Rodriguez Añez.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Educação Física, Saúde