Longa Exposição

Você já deve ter visto aquela foto linda de uma cachoeira, em que a água mais parece um véu de noiva, ou então aquela foto da cidade à noite, em que os carros são transformados em linhas luminosas. Este tipo de foto é tirada com um tempo de exposição maior do que o geralmente utilizado nas fotos, fato que gera este efeito.

Fotografia de avenida movimentada, utilizando longa exposição. Foto: ArtisticPhoto / Shutterstock.com

Fotografia de avenida movimentada, utilizando longa exposição. Foto: ArtisticPhoto / Shutterstock.com

Longa exposição, portanto, é quando o sensor passa mais de um segundo exposto, ou seja, com o obturador aberto.

Como tudo na vida, o recurso da longa exposição tem o seu lado bom e o seu lado ruim.

Danos ao equipamento

Na prática, há pouquíssimos riscos para o equipamento, mas pode acontecer em uma muito remota possibilidade, de o sensor ser danificado, caso fique exposto durante muito tempo a uma luz direta.

Desestabilização da imagem

Obviamente, para fazer uma imagem com uma velocidade tão baixa, não será possível manter a câmera parada se você estiver com ela na mão, portanto, para fixar a câmera e evitar que a imagem fique tremida, use o tripé.

Apoio para o tripé

É necessário também, para o sucesso da operação, que o local onde o tripé irá ficar seja bem apoiado, ou pode acontecer de o próprio tripé ser movimentado, balançado, ou até cair, principalmente se você está em um local com ventos fortes, muito movimento de pessoas ou algo parecido.

ISO

Para fazer uma foto em longa exposição, o ideal é utilizar a sensibilidade natural do sensor, para diminuir o ruído da imagem. Para algumas câmeras o valor da sensibilidade natural é 100, para outras 200.

Alinhamento do Horizonte

É importante alinhar o nível da câmera ao horizonte, ou caso contrário vai dar aquela impressão de que a imagem é torta, e não fica muito agradável.

Atraso

Uma outra dica, é programar um pequeno atraso na câmera, de um a dois segundos, para que a vibração ocorrida durante o movimento de “apertar o botão” da câmera, seja amortecida. Uma outra opção é um disparador, que pode ser ligado à câmera, e ficar na mão do fotógrafo, evitando assim que ele por ventura movimente o tripé ao disparar a foto.

Foco e Enquadramento

Nas situações em que há pouca iluminação, talvez haja problema em fazer o foco automaticamente, ou em enquadrar a cena adequadamente. Neste caso, você pode optar por iluminar a cena com uma lanterna para fazer o enquadramento e  o foco manual.

Estas, contudo, não são todas as soluções. Com o tempo, e o treino deste tipo de foto, o próprio fotógrafo identificará algumas outras situações que precisam ser solucionadas. Vai de ocasião para ocasião, e as soluções podem ser diversas. Contudo, fica a dica para sempre haver um planejamento para este tipo de foto, pois alguns probleminhas podem ser visualizados e já resolvidos com antecedência.

Fontes:
http://www.tudosobrefotografar.com/2012/04/longa-exposicao.html
http://www.dicasdefotografia.com.br/como-fazer-fotos-de-longa-exposicao
http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=26397
http://abduzeedo.com.br/29-fotografias-incr%C3%ADveis-de-longa-exposi%C3%A7%C3%A3o
http://jgoffredo.blogspot.com.br/2013/01/longa-exposicao-dicas-e-truques.html

Arquivado em: Fotografia