Fenocópias

O fenótipo é a interação do genótipo com o meio ambiente. Em algumas situações, os fenótipos se comportam de forma diferente. A interação deles com o meio ambiente pode produzir características que são cópias de efeitos de genes particulares.

A diabetes é uma doença determinada geneticamente, ou seja, uma pessoa diabética recebe os genes dos pais. A diabetes é caracterizada pela falha na produção do hormônio insulina, que participa da quebra da molécula de glicose. Mas indivíduos sem os genes causadores da diabetes podem apresentar a doença, em decorrência de complicações no pâncreas, pois ele é o órgão responsável pela produção da insulina.

As pessoas que adquirem diabetes ao longo da vida são fenocópias das pessoas que herdaram a diabetes dos pais, pois apresentam o fenótipo da diabetes, que é a deficiência na produção de insulina, mas essa informação não está armazenada em seu genótipo.

Uma pessoa diabética também pode ser fenocópia de uma pessoa normal. Quando um indivíduo diabético recebe injeções de insulina, seu metabolismo melhora temporariamente, normalizando seus níveis de glicose, se igualando ao metabolismo de uma pessoa normal. Obviamente pessoas com diabetes precisam ter um controle rígido sobre a dieta de açúcares.

Existem anomalias genéticas em que as crianças nascem com defeitos na formação dos membros e outras partes do corpo, como o lábio leporino.
Há muitos anos atrás, muitas mulheres tomaram um remédio chamado talidomida para controlar os enjôos sentidos durante a gravidez. Essas mulheres não sabiam que esse remédio causava sérios defeitos congênitos nos bebês. As crianças nasciam com sérias malformações nos membros superiores e alguns com lábio leporino. Essas doenças não eram provocadas por defeitos nos genes, mas na formação embrionária dessas crianças, sob a atividade dessa droga. Logo, crianças que nasceram com essas condições são fenocópias de crianças com os genes para essas doenças.

Arquivado em: Genética