Matriz Energética Brasileira

Ouça este artigo:

Matriz energética brasileira é o conjunto de todas as fontes de energia disponíveis no país. Mas o que é matriz energética? São as matrizes disponíveis em um território, ou seja, os elementos que fornecem a energia para um determinado povo. Por exemplo, a matriz energética hidráulica é uma fonte muito utilizada no Brasil. De acordo com relatório de 2021 da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), a produção de energia hidráulica está em 12%. Assim, a partir das hidrelétricas ocorre a distribuição da eletricidade.

Matriz energética x matriz elétrica

Não se deve confundir matriz energética com matriz elétrica. A matriz energética consiste nas fontes disponíveis para dar sustentação ao movimento de carros, geração de eletricidade, preparo de alimentos por meio do gás, do carvão, entre outras formas de energia. A produção de comida, por exemplo, é uma forma de criar energia, visto que os trabalhadores precisam alimentar-se para desenvolver suas atividades.

Já a matriz elétrica forma-se unicamente por meio das fontes relacionadas à geração de energia elétrica. Assim, conclui-se que matriz elétrica é somente uma área específica da matriz energética.

Como se divide a matriz energética brasileira?

De acordo com o Relatório Síntese do Balanço Energético Nacional 2021, da EPE, as matrizes renováveis no Brasil são: biomassa (19%), hidráulica (12%), lenha e carvão vegetal (8%), entre outras (7%). No caso das não renováveis, consiste em: petróleo (33%), gás natural (11%), carvão mineral (4%) e urânio (1%).

Energia ecológica

Apesar de apresentar um território em escala continental, o país tem autonomia energética devido ao uso dos seus recursos. O Brasil é ecologicamente responsável na geração de energia, pois utiliza mais fontes renováveis quando em comparação com outros países. Totalizando as renováveis, como hidráulica, lenha, derivados da cana, carvão vegetal, entre outras de menor uso (solar), as energias renováveis brasileiras somam mais de 48%, quase metade da matriz energética.

O que são matrizes energéticas renováveis?

Renováveis são consideradas as fontes que precedem da facilidade em sua continuidade, como a energia solar, hídrica, eólica, biomassa, geotérmica e oceânica. O sol é uma fonte de energia renovável por ser uma matriz inesgotável, contanto que a área em questão tenha alta incidência de irradiação. A eólica parte do mesmo princípio a partir da energia obtida por suas hélices, e a biomassa por meio da queima da matéria orgânica: vegetal ou animal.

E as matrizes não renováveis?

No Brasil, as matrizes não renováveis também são utilizadas, como a nuclear, a fóssil (petróleo, carvão mineral) e o gás natural. Mas o que são matrizes não renováveis? São as fontes consideradas esgotáveis. Estas matrizes, caso utilizadas por um largo período, podem simplesmente desaparecer. Porém, o processo que extingue este tipo de energia leva milhões de anos. Estes materiais são encontrados como matéria orgânica dentro de rochas ou nas camadas internas da Terra.

A energia nuclear, por exemplo, tem sua origem por meio do urânio. Assim, matrizes não renováveis são as que surgem através do processo industrial de elementos da natureza e podem passar por esgotamento após um período de milhares de anos.

Energia hidráulica

Barragem de Itaipu. Foto: Lucas Martins / InfoEscola.com

Uma das matrizes energéticas brasileiras renováveis mais utilizadas é a hidráulica (12,6%). Isso ocorre devido à grande quantidade de rios de planalto presentes no território nacional. Estes rios apresentam uma diferença relacionada à nivelação ao longo de seus cursos, algumas partes são muito altas, enquanto outras são mais baixas.

Assim, quando ocorre a queda de água, a força gerada é utilizada para girar uma turbina e, desta forma, possibilitar a geração de energia por meio da força das águas. Para que isso ocorra é necessário construir uma barragem na área em questão, represando a água para que a sua liberação ocorra de acordo com a necessidade de energia a ser gerada.

No entanto, é preciso que exista um prévio diálogo com os moradores da região em que a hidrelétrica for construída. Isso deve ocorrer devido ao alagamento das áreas adjacentes, que ocorre com o estancamento do fluxo do rio, criando lagos artificiais. Neste sentido, é necessário um planejamento para a instalação das turbinas para que os habitantes destas áreas sejam remanejados com eficiência, evitando assim prejudicar suas habitações.

Fóssil

A utilização de energias fósseis é muito alta no Brasil, 38% da matriz. É constituída a partir do carvão mineral e do petróleo. Por meio da ação da Petrobrás, o Brasil apresenta uma das mais notáveis reservas deste combustível em escala mundial, atuando na área de extração e exportação. Embora exista muito petróleo no país, o refino ainda é uma das práticas menos utilizadas. Assim, o Brasil ainda se configura como um exportador de matéria-prima, importando posteriormente a manufatura a preços elevados.

Biomassa

A utilização da biomassa na geração de energia do Brasil está em 19%. Uma dos programas notáveis neste tipo de produção de energia foi o Proálcool, que se notabilizou na utilização da biomassa. Iniciado nos anos 1970, o projeto ganhou fama também pela escolha do álcool carburante como forma de substituir a gasolina. Mas, as atividades deste projeto estatal não se limitaram a área de transportes. O segmento de energia elétrica foi beneficiado devido à injeção da energia da biomassa criada nas usinas de açúcar e de álcool, nas quais são queimadas a palha e o bagaço da cana. A biomassa proveniente de resíduos que não provém da cana, como serragem ou palha de arroz, pode ser utilizada em termelétricas. O resíduo do caldo de cana, chamado vinhoto, pode ser reaproveitado em forma de adubo na agricultura.

Fontes:

https://www.epe.gov.br/pt/abcdenergia/matriz-energetica-e-eletrica

https://www.alemdaenergia.engie.com.br/matriz-energetica-brasileira/

https://esferaenergia.com.br/fontes-de-energia/qual-a-diferenca-entre-matriz-energetica-e-matriz-eletrica/

http://www2.senar.com.br/Noticias/Detalhe/11609

Arquivado em: Brasil, Geografia