Web Mapping

A tecnologia do Webmapping, também conhencida como WebGis , está relacionada ao Geoprocessamento. Em termos simples consiste na publicação na internet de mapas interativos. Diversos softwares, tanto de origem proprietária como de código fonte aberto podem ser utilizados para o desenvolvimento de uma aplicação web mapping.

No que se refere a disseminação de dados geográficos na web podemos destacar três tipos básicos de mapas:

1) Mapas Estáticos

São mapas na forma de imagem (nos formatos JPEG e PNG, por exemplo) que são inseridas em páginas da internet. Essa é a forma mais básica de publicar um mapa na internet, e por consequência, este tipo de mapa apresenta baixa interatividade com o usuário.

Assim, o foco principal deste tipo de mapa é portar a representação de algum tipo de informação espacial para o usuário possibilitando, exclusivamente, sua visualização. Uma das vantagens deste método é que havendo grande quantidade desses mapas representando diferentes épocas pode-se fazer um estudo temporal comparativo.

O mapa abaixo, extraído do site do Ministério dos Transportes, ilustra a utilização desse tipo de ferramenta.

2) Mapas Gerados a partir de formulários

Esta tecnologia consiste em disponibilizar ao usuário um formulário onde são solicitadas informações quanto à área geográfica de interesse. Quando o usuário termina de preencher do formulário, as informações são transmitidas a um servidor, que recupera os dados fornecidos e transforma o mapa final exibindo-o em um formato de imagem.

Esse tipo de ferramenta apresenta limitações como: Há pouca versatilidade de navegação sobre o mapa, pois para realização de operações simples como a aplicação de zoom ou arrastar o mapa requer a geração de uma nova imagem. Você pode acessar um web mapping deste tipo no endereço <http://woodshole.er.usgs.gov/mapit/>.

3) Navegação baseada em mapas dinâmicos

Neste tipo de web mapping, o usuário seleciona uma área de seu interesse em um mapa geral, o que resulta na navegação para outro mapa ou imagem mais específico, ou seja, com informações mais detalhadas desta região. Em algumas aplicações, existem ícones que ativam funções mais sofisticadas, como cálculo de distâncias na tela, consulta aos atributos de elementos ou ativação e desativação de camadas de informação.

A figura abaixo mostra uma aplicação deste tipo de mapa interativo, disponível no endereço <http://atlas.srh.ce.gov.br/>.

O uso das tecnologias de web mapping tem se massificado em vista da popularização de serviços gratuitos como o Google Earth e Google Maps.

Entre os softwares mais utilizados no Brasil para o desenvolvimento de aplicações web mapping podemos mencionar o MapServer, GeoServer, Alov Map, Open Layers e i3Geo, sendo este último um programa brasileiro construído tendo por base o MapServer.

Referências:
CÂMARA, G., CASANOVA, M.A., DAVIS JUNIOR, C., VINHAS, L., QUEIROZ, G. Disseminação de dados geográficos na Internet, Curitiba, Editora MundoGEO, 2005. Disponível em: <www.dpi.inpe.br/livros/bdados/cap10.pdf> Acesso em 16 de Mar. de 2010.

MEDEIROS, A. Desenvolvimento de uma aplicação webmapping direcionada a pesquisas educacionais, João Pessoa, IFPB, 2009.

CEARÁ, Sistema dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará, 2009. Disponível em: <http://atlas.srh.ce.gov.br/> Acesso em 16 de Mar. de 2010.

BRASIL, Ministério dos Transportes, 2003. Disponível em <http://www.transportes.gov.br/bit/inrodo.htm> Acesso em 16 de Mar. de 2010.

Arquivado em: Cartografia, Internet, Mapas