Atentado de Sarajevo

Graduação em História (Universidade do Vale do Sapucaí, UNIVÁS, 2008)

A Primeira Guerra Mundial se iniciou em 1914 por conta de um acontecimento significativo: O assassinato do herdeiro do trono do Império Austro Húngaro, Franz Ferdinand. O evento ficou conhecido como Atentado de Sarajevo.

Em 1914, a Europa estava às portas de uma guerra. As rivalidades entre as potências europeias, as questões nacionalistas no continente, principalmente na região do Bálcãs, e o crescente extremismo nacionalista tomavam proporções preocupantes.

Após convulsões sociais de cunho nacionalista nas províncias da Bósnia e da Sérvia, partes do Império Austro Húngaro, o arquiduque Franz Ferdinand foi destacado para ir até Sarajevo (capital atual da Bósnia Herzegovina) tentar conter a onda nacionalista e apaziguar os ânimos de sérvios e bósnios, assegurando a manutenção do controle da região pelo Império.

Durante muito tempo se acreditou que o mentor do atentado teria sido um jovem chamado Gravilo Princip, que fazia parte de uma organização denominada “Mão Negra”, que defendia a independência da região em relação ao Império Austro Húngaro, e planejaram o atentado ao representante do Imperador. Porém o ataque foi realizado por membros da organização “Jovem Bósnia”, outro grupo nacionalista sérvio que atuava para a separação em relação ao Império Austro Húngaro, que dominava a região desde 1878.

O atentado

O grupo, que compreendia jovens entre 17 e 20 anos, se espalhou por vários pontos da capital bósnia por onde se tinha relativa certeza de que a comitiva do arquiduque passaria, ali se escondendo e preparando para assassiná-lo na primeira oportunidade.

Quando os carros da comitiva passaram, um dos membros do grupo atirou uma bomba sobre o carro de Ferdinand, que bateu na capota fechada do veículo e caiu logo atrás, explodindo o carro que vinha logo em seguida, ferindo 20 pessoas.

Horas após a falha na primeira tentativa, o arquiduque foi surpreendido por Gravilo Princip, que se aproximou do carro onde Franz e a esposa estavam, deu dois tiros a curta distância, ferindo ambos mortalmente. Ainda que se tenha tentado prestar socorro ao casal, ambos faleceram.

O articulador

Após anos de debates e pesquisas sobre a questão do assassinato do arquiduque e sua esposa, e sobre os culpados, novas pesquisas demonstraram que quem planejou o atentado foi o chefe do Departamento Sérvio de Informações, brigadeiro Dragutin Dimitrijevic que se opunha à ideia de Ferdinand de aumentar a influência eslava no Império, em detrimento dos húngaros e outras etnias.

Sendo assim, os apontados hoje como responsáveis pela morte do arquiduque são os militares sérvios de alto escalão, apoiados pelos russos, que queriam eliminar a ideia de inserção dos eslavos insatisfeitos na sociedade Austro Húngara, evitando a ruptura entre eles e os territórios mais ao sul e se mantinha vivo o ideal nacionalista de independência da região que mais tarde viria a ser a Iugoslávia, com todas as etnias diversas que a formavam.

O ataque instaurou uma crise diplomática entre a Sérvia e o Império Austro Húngaro, que enviou às autoridades sérvias um ultimato em 23 de julho de 1914, que previa uma série de medidas a serem tomadas pela Sérvia, sob ameaça de retaliação militar. Em resumo, essas condições eram um golpe na independência do reino da Sérvia, mas mesmo assim foram aceitas quase integralmente.

A única das cláusulas que não foi aceita se referia a investigações feitas pelas autoridades austro húngaras em solo sérvio.

A Guerra

Diante do impasse, o Império Russo se movimenta em defesa da Sérvia, por suas origens eslavas comuns. O Império Austro Húngaro recebe a ajuda do Império Alemão e a partir daí, o intrincado sistema de alianças que vinha sendo formado na Europa desde o fim do século XIX arrasta a maior parte do continente para o confronto.
A Primeira Guerra Mundial marca o fim de uma era e o começo de outra na história da Europa e do mundo. O assassinato do arquiduque foi estopim para o maior conflito da História da Humanidade até então, pondo fim à chamada Paz Armada (o crescimento de tensões entre os países, sem guerras declaradas e com a crescente militarização) e inaugurando um período de tensão e violência em escala nunca antes imaginada no mundo, e que durará mais de meio século.

Bibliografia:

http://www.dw.com/pt/1914-atentado-em-sarajevo/a-584424

HOBSBAWN, E. Era dos extremos. O breve século XX - 1914, 1991. São Paulo: Cia. das. Letras, 1995

HOBSBAWN, A era dos impérios: 1875-1914. São Paulo: Paz e Terra, 6ª ed, 2002.