Batalha de Moscou

Mestrado em História (UDESC, 2012)
Graduação em História (UDESC, 2009)

A batalha de Moscou teve início em outubro de 1941 e fim em janeiro de 1942. Com o descumprimento do Pacto Ribbentrop-Molotov, pela Alemanha, que assegurava a não-agressão, os alemães dão início a sua operação Barbarossa que tinha como objetivo dominar Moscou. Cada exército contava com praticamente o mesmo número de soldados, porém enquanto os soviéticos dispunham de mais aviões e tanques os alemães tinham mais armamentos.

As investidas alemãs se deram por meio da sua tática, a Blitzkrieg, o ataque surpresa por meio de tanques e aviões. Esses ataques deram vantagens aos alemães que conseguiram penetrar com facilidade em território soviético e em contrapartida conseguiram acabar com boa parte dos seus aviões. As defesas da União Soviética estavam catastróficas e por isso tiveram várias baixas nesta primeira fase da batalha. Em agosto de 1941 os alemães dominam a cidade de Smolensk, que era um obstáculo para chegar até Moscou. A defensiva soviética na região faz com que os alemães fiquem lá até setembro, inclusive conseguem contra-atacar a Blitzkrieg. Mesmo com esses contratempos, em 2 de outubro os alemães chegam a Moscou, e o exército vermelho sofre baixas significativas neste primeiro confronto.

Mulheres soviéticas cavam trincheiras e armadilhas para tanques em Moscou em outubro/novembro de 1941. Foto: US Information Agency / via Wikimedia Commons

Houve muitas resistências do lado soviético, vários atos de bravura, como soldados que confrontavam os tanques e mulheres que cavavam armadilhas antitanques durante esse período foram verificados. A moral do povo soviético estava para baixo, pois haviam perdido muito soldados no início da batalha, porém o estado preparou os eventos comemorativos da Revolução no dia 7 de novembro, em plena Praça Vermelha, com desfile das tropas queria para ofensiva contra os alemães, tudo isso para elevar a moral do povo soviético. Esses esforços estavam ligados a necessidade de impedir que Moscou fosse dominada, pois os ataques aéreos alemães já começavam a acontecer. Porém as condições climáticas daquele ano pareciam estar contra os alemães, com intensas chuvas de outono fizeram os alemães recuarem, pois, os campos foram transformados em imensos lamaçais. Quando o inverno siberiano começa, a lama se transformou em um piso sólido. Os alemães conseguem caminhar novamente, porém não estavam equipados para vencer o frio, pois acreditavam que com sua guerra-relâmpago venceriam e por isso não se preparam para esta adversidade. O inverno de dezembro, chegou a temperaturas de -42ºC, congelando equipamento e veículos.

O contra-ataque soviético parecia iminente, assim que os alemães conseguiram vencer o frio e chegar próximos ao centro de Moscou, em 6 de dezembro de 1941, foram atacados com tanques e lança foguetes. As tropas soviéticas eram tão preparadas para o combate no frio que os seus soldados dispunham até mesmo de ski. Com certeza, estes investimentos de modernização e treinamento das tropas tem a ver com a derrota para o exército finlandês dois anos antes durante a Guerra de Inverno. Com o objetivo de destruir todo o exército alemão os soviéticos atacaram exaustivamente, porém os alemães resistiram e conseguiram fugir no dia 7 de janeiro de 1942. Esse episódio serviu para levantar a moral das tropas soviéticas e para mostrar que a tática relâmpago dos alemães poderia ser vencida.

Referências:

FERRO, Marc. História da segunda guerra mundial. São Paulo: Ática, 1995.

HOBSBAWM, E. J. Era dos extremos: o breve século XX: 1914 - 1991. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras