Guerra Civil da Guatemala

Ocorrida entre os anos de 1960 e 1996, a Guerra Civil da Guatemala foi um confronto bélico entre diversos grupos de guerrilheiros do país e o governo. Durante a duração do conflito, estimativas indicam que aproximadamente 40 mil pessoas desapareceram e 150 mil perderam a vida.

As origens da Guerra Civil da Guatemala remontam o ano de 1954. Naquele período, Jacobo Arbenz, então presidente do país, foi destituído por meio de um golpe de Estado. Esta estratégia havia sido planejada pela CIA (Agência Central de Inteligência) dos Estados Unidos. Com isso, Arbenz foi substituído pelo político Carlos Castillo Armas, que tinha ligações com esquadrões da morte e grupos contra comunistas. Porém, Castillo foi assassinado e substituído por Miguel Ydígoras Fuentes, general que assumiu o poder em 1958.

No ano de 1960, jovens militares contrários às ações do governo guatemalteco organizaram um levante, mas não obtiveram sucesso. Após o fracasso, estes soldados desertaram do exército da Guatemala e estabeleceram contato com as forças armadas do governo de Cuba, que recentemente havia consolidado um regime socialista na ilha.

Naquela época, os confrontos entre o exército da Guatemala e as forças rebeldes terminaram com cerca de 140.000 mortos. Fora isso, o governo obrigou 50.000 cidadãos que viviam no campo a abandonarem suas terras e 44.000 pessoas desapareceram.

Os grupos contrários ao governo dividiam-se entre quatro contingentes armados: o Partido Guatemalteco do Trabalho, o Armadas Rebeldes, a Organização Revolucionária do Povo em Armas e o Exército Guerrilheiro dos Pobres. Em ação conjunta, tais organizações iniciaram esquemas de sabotagem e ações de ataque contra as forças do governo da Guatemala. No começo da década de 1980, nasceu a Unidade Revolucionária Nacional Guatemalteca, composta por todos os grupos armados.

Somente da década de 1990 foram iniciadas negociações entre os grupos de guerrilheiros e o governo da Guatemala. Ao final do ano de 1996, foi assinado um acordo permanente de cessar-fogo. Entre as principais diretrizes do documento foi instituída anistia geral tanto para militares como para guerrilheiros responsáveis por abusos em ações de combate aos revoltosos. O governo da Guatemala comprometeu-se em reformar estruturas com o objetivo de alcançar paz e desenvolvimento no país. Assim, os grupos de esquerda abandonaram as ações de guerrilha e criaram um ambiente para a reconstrução da nação.

Fontes:
http://emaxilab.com/enciclopedia/article_21983.html
http://usacac.army.mil/CAC2/MilitaryReview/Archives/oldsite/portuguese/sepoct05/sepp.pdf
http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_Civil_da_Guatemala
http://ppgp.ufpa.br/dissert/Ana_Lucia.pdf

Arquivado em: Idade Contemporânea