Guerra do Yom Kippur

Conhecida pelos nomes de “Quarta Guerra Árabe-Israelense”, “Guerra do Ramadã”, “Guerra de Outubro” e “Guerra Árabe-Israelense de 1973”, a Guerra do Yom Kippur ocorreu entre Israel e um grupo de nações sob a liderança da Síria e do Egito. O combate deu-se entre os dias 6 e 26 do mês de outubro de 1973.

A Guerra do Yom Kippur teve início após um ataque súbito à Israel, organizado por Síria e Egito. O nome do conflito remete ao feriado da cultura judaica chamado Yom Kippur, pois na data da celebração, Síria e Egito ultrapassaram as barreiras do cessar-fogo nas Colinas de Golã e no Monte Sinai, que pertenciam à Israel. Aos primeiros 6 dias do conflito, as forças sírio-egípcias conseguiram retomar parte de seus territórios. Porém, após duas semanas de batalhas, Israel começa a predominar na guerra, fazendo o exército da Síria recuar das colinas de Golã, mas as forças do Egito continuavam na região do Monte Sinai.

A saída encontrada pelos israelenses foi um atalho na área sul do Sinai, desprotegido pelo exército egípcio. Desta forma, conseguiu deslocar-se para a região oeste referente ao canal de Suez, localidade em que a muralha Bar-Lev não tinha sido ocupada pelas forças do Egito. Então, o exército do Israel começou a ameaçar Ismaília, província egípcia.

Entre os dias em que a Guerra do Yom Kippur ocorria, as maiores potências do mundo organizaram-se para interferir no conflito para defender seus interesses. Os Estados Unidos auxiliaram Israel e a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) ficou ao lado de Síria e Egito. Com isso, ocorreu um aumento na tensão entre as duas nações (EUA e URSS), que à época mediam forças na corrida armamentista e tecnológica conhecida como Guerra Fria. Evitando maiores proporções ao conflito, através da Organização das Nações Unidas (ONU), foi promulgado um cessar-fogo em outubro de 1973.

Após o fim dos conflitos armados, o exército de Israel havia se recuperado e apresentava enorme poder bélico. As forças armadas israelenses encontravam-se infiltradas em territórios árabes, sendo que chegaram a 40 quilômetros da capital síria, Damasco, e a 101 quilômetros da capital do Egito, Cairo. Ambas as cidades foram fortemente bombardeadas.

As consequências da Guerra do Yom Kippur ultrapassaram as fronteiras dos países envolvidos e influenciaram profundamente outras nações. Tempo após o final do conflito, as relações entre Israel e Egito foram normalizadas através dos Acordos de Camp David, de 1978. Pela primeira vez na história, uma nação árabe havia reconhecido o território de Israel.

Fontes:
http://en.wikipedia.org/wiki/Yom_Kippur_War
http://www.historiadomundo.com.br/idade-contemporanea/guerra-do-yom-kippur-e-a-crise-do-petroleo.htm
http://www.idfblog.com/spanish/guerra-de-yom-kipur-6-de-octubre-de-1973/