Noite das Facas Longas

Mestrado em História (UFJF, 2013)
Graduação em História (UFJF, 2010)

A Noite das Facas Longas foi um expurgo ocorrido em 1934 na Alemanha Nazista.

Após passar um tempo na prisão por forjar um golpe na Alemanha, Adolf Hitler finalmente alcançou o poder naquele país no ano de 1933. Durante seus anos de reclusão, escreveu um livro que daria o tom de seu governo, absolutamente marcado pela ideologia nazista. Formava-se, então, um país comandado por um regime totalitário, que tinha o poder de interferir na vida das pessoas em todas as suas esferas de abrangência. Pouco a pouco, Hitler montou sua máquina administrativa e deixou claro que o poder estava completamente concentrado em suas mãos, tornando-se o senhor do destino da Alemanha.

Ernst Röhm

Ernst Röhm

A Alemanha Nazista investiu fortemente na militarização, criando exércitos muito bem treinados e equipados. Uma dessas tropas recebeu o nome de Sturmabteilung, que era uma organização paramilitar ligada ao Partido Nazista. Conhecida usualmente como Tropa de Assalto, a milícia atuou na Alemanha durante todo o período em que o regime Nazista vigorou. Ela era liderada pelo capitão Ernst Röhm, famoso por seu senso de organização e sua capacidade de comando. Os membros da tropa eram conhecidos como Camisas Pardas, em função da cor do uniforme. No entanto, Hitler não estava satisfeito com o desempenho e com os rumos da Sturmabteilung, ou simplesmente AS. O líder alemão revoltou-se contra o líder da tropa, o qual tinha a perspectiva de transformar seus subordinados, cerca de três milhões de soldados, no núcleo do Exército Nazista. Röhm era favorável ao uso da violência nas ruas, o que desagradava Hitler. Além disso, a própria imagem de Röhm não era bem vista entre seus compatriotas e líderes nazistas. Ele possuía muitos desafetos com outros oficiais e era rejeitado por causa de sua homossexualidade. Seus adversários argumentavam sobre sua fraqueza, seus vícios e os riscos de Röhm derrubar o regime nazista e Hitler.

Muito insatisfeito com toda a situação, Adolf Hitler precisou agir de modo estratégico para que um problema pontual não se tornasse um problema que envolvesse todos os militares. Para não causar choques de interesses políticos, Hitler atacou diretamente a tropa comandada por Röhm, determinando um expurgo de suas autoridades máximas e de seus inimigos políticos. Na noite do dia 30 de junho para o dia primeiro de julho de 1934, a operação comandada pelo chanceler alemão executou dezenas de filiados do Partido Nazista que eram atrelados a Sturmabteilung. O expurgo eliminou 85 pessoas naquela noite e ainda aprisionou outras milhares. Quem comandou as mortes foi outra organização militar paralela a SA, a Schutzstaffel, ou simplesmente SS. Após a insatisfação com a SA, a SS se tornou o principal braço armado do militarismo alemão, reunindo a elite de combate. A operação também contou com o apoio da Gestapo, a polícia secreta alemã.

A Noite das Facas Longas ou Noite dos Longos Punhais, nomes que identificam o evento, foi planejada com o codinome Colibri, um nome aleatório para manter o sigilo. O nome que a operação recebeu posteriormente, originário de um dos versos das canções da SA, não é bem aceito na Alemanha, já que considera-se um peso muito grande na expressão. Por isso encontra-se também o nome Röhm-Putsch para identificar a mesma operação. Após a mesma, a SA foi reformulada e entregue ao comando de Victor Lutze. Os inimigos políticos de Hitler foram eliminados e a repressão a condutas consideradas inadequadas pelo regime tornou-se padrão constante.

Fontes:
http://www.ihu.unisinos.br/vitimas-de-genocidios-e-massacres/510882-noite-das-facas-longas-30-de-junho
http://www.historyplace.com/worldwar2/triumph/tr-roehm.htm
http://www.germanculture.com.ua/library/history/bl_third_reich.htm
Foto: http://www.planet-wissen.de/politik_geschichte/drittes_reich/die_ss/