Aliteração

Mestre em Linguística, Letras e Artes (UERJ, 2014)
Graduada em Letras - Literatura e Língua Portuguesa (UFBA, 2007)

A palavra aliteração tem origem na língua latina que significa letra. É uma figura de som que ocorre com a repetição de um fonema, vocálico ou consonântico, igual ou parecido, para descrever ou sugerir sonoramente um pensamento ou uma emoção através da língua. Essa expressão se produz por meio de uma única palavra ou por unidades mais extensas, sendo mais comuns no uso da linguagem poética, em músicas, ou contextos nos quais o objetivo é menos informativo e mais emotivo.

Nesse sentido, a aliteração é um recurso estilístico utilizado, geralmente, no início das palavras compondo versos ou frases, podendo ser verificado também no meio ou no final dessas construções linguísticas. São muito conhecidos dos falantes em geral ditados populares, versos folclóricos ou brincadeiras com a linguagem que se valem da aliteração como recurso para conferir o sentido desejado:

Trava- línguas:

Padre Pedro procurou a primeira batina preta.

Neste o recurso utiliza-se dos sons das letras “p” , “r” e “d” para que o falante seja desafiado na pronúncia das palavras. Tal como se pode observar nos próximos exemplos com as letras “t”, “p” e “r”. e no terceiro exemplo com a letra “s”.

“Três pratos de trigo para três tigres tristes.”

“O sabiá não sabia que o sábio sabia que o sabiá não sabia assobiar”

Ditos populares:

“Quem com ferro fere, com ferro será ferido”

“Filhos criados, trabalho dobrado”

Em letras de músicas:

Observe como os recursos estilísticos produzem efeitos sonoros na construção da música para intensificar o ritmo: as aliterações nesta letra da banda “O Rappa” ocorrem a cada verso, sempre de maneira alternada, jogando com letras e sons diferentes:

Reza a Vela

A chama da vela que reza (letra “e” vela / reza)

Direto com santo conversa (letra “s” santo / conversa)

Ele te ajuda te escuta

Num canto colada no chão nas sombras mexem (letra “c” canto / colada)

Pedidos e preces viram cera quente (letra “p” pedidos / preces)

A fé no sufoco da vela abençoada no dia dormido (letra “d” dia / dormido)

O fogo já não existe ali saíram do abrigo

São quase nada

A molecada corre e corre, ninguém tá triste (letra “c” corre/corre / letra “t” ta / triste)

(...)

Tá no céu balão de bucha não espere o tiro apenas Mire (letra “b” balão / bucha)

Depois da benção o peito amassado (letra “s” amassado / samba / atravessado / sobe)

É hora do cerol é hora do traçado

Quem não cobre fica no samba atravessado

Sobe balão no céu rezado

(...)

Compositores: Alexandre Menezes / Lauro Jose De Farias / Marcelo De Campos Lobato / Marcelo Falcao Custodio / Rodrigo Valle

Letra de Reza vela © Warner/Chappell Music, Inc

Bibliografia:

ILARI, Rodolfo. Introdução à Semântica – brincando com a gramática. 3. ed. – São Paulo: Contexto, 2002.

ILARI, Rodolfo. Introdução ao estudo do léxico – brincando com as palavras. – São Paulo: Contexto, 2002.

GARCIA, Maria Cecília. Minimanual compacto de gramática da língua portuguesa: teoria e prática – 1. ed. – São Paulo: Rideel, 2000.

CUNHA, Celso e CINTRA, Luís F. Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. – 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. – 37. ed. rev., ampl. e atual. – Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

HILST, Hilda. Cantares. – São Paulo: Globo: 2004. – (Obras reunidas de Hilda Hilst)

CAMARA JR., Joaquim Mattoso. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Editora Vozes. 1977.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Para educar crianças feministas um manifesto. Tradução: Denise Bottmann. – 1ª ed. – São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

Arquivado em: Linguística, Português