Bantos (Bantus)

Banto ou bantu é um termo utilizado para se referir a um tronco linguístico, ou seja, é uma língua que deu origem a diversas outras línguas no centro e sul do continente africano. O termo acabou sendo aproveitado para se referir ao conjunto de 300 a 600 grupos étnicos diferentes que povoam a mesma área. Trata-se de uma classificação baseada na semelhança linguística, e por isso, a palavra banto não se refere a um povo, nem sequer a uma etnia.

O termo foi usado originalmente por W. H. I. Bleek (1827-1875) com o significado de povo, como é refletido em muitos dos idiomas. Boa parte usa a palavra "ntu" ou uma derivação com referência a um ser humano. "Ba" é um prefixo comum em muitas das línguas, que indica o plural. Os idiomas banto formam uma família de cerca de 1500 línguas diferentes.

Importante ressaltar que esta classificação não espelha a visão destes povos em si. Em geral, cada grupo em todos esses países (mesmo os que não possuem população bantu) consideram qualquer outro grupo que não fale a sua língua, não siga sua religião, ou não habite a mesma área e compartilhe das mesmas tradições como um grupo estrangeiro. O próprio conceito de nacionalidade (angolano, queniano, zambiano, etc.) é algo ainda novo para o africano comum.

Os bantos não constituem toda a população africana nativa ao sul do Saara. Na verdade, acredita-se que a sua maioria tenha vindo dos atuais Nigéria e Camarões, e nos primeiros séculos da era cristã se espalharam por todo o sul da África, quase que substituindo o grupo anteriormente predominante, os khoisan (leia-se coissã) ou bosquímanos, que ainda hoje vivem em pequenos bolsões, desde Angola até Moçambique, passando pela África do Sul.

Ao contrário dos khoisan, caçadores nômades, os bantos já desde o início praticavam a agricultura, caça e a pesca. Além disso, conheciam a metalurgia, o que deu grande vantagem na conquista dos povos vizinhos.

Entre os diversos estados bantos, destacou-se um grande reino, o reino do Congo, que dominava grande parte dos atuais Congo e Angola. Outro importante reino se localizava na região entre Zimbábue e Moçambique. Lá, o povo shona fundou o Império Monomotapa ou Mwenemutapa, sendo que ainda hoje podemos ver as ruínas das imponentes muralhas de sua mais importante cidade, Grande Zimbábue, construída no século XIII.

No século IX, várias cidades bantas estavam ligadas ao comércio do Oceano Índico, comparadas aos mais ricos centros comerciais do mundo, onde se comercializava marfim, ouro, pedras preciosas, ferro, couro e escravos. Os maiores centros eram Mogadíscio (capital da Somália), Quiloa (Tanzânia), Malindi (Quênia) e Sofala (Moçambique).

Bibliografia:
Bantos: Quatrocentos grupos étnicos falam línguas bantas atualmente. Disponível em: < http://educacao.uol.com.br/disciplinas/historia/bantos-quatrocentos-grupos-etnicos-falam-linguas-bantas-atualmente.htm >. Acesso: 08/05/13.

Bantos. Disponível em: < http://www.folcloreartebrasil.com.br/estudos/bantos.html >. Acesso: 08/05/13.

Arquivado em: Linguística