A Normalista

O romance A Normalista, de autoria de Adolfo Caminha, teve sua publicação no ano de 1893. A obra, considerada uma das mais naturalistas da literatura brasileira, aborda assuntos como libido, traição, relações familiares, sexo, adultério e incesto. O escritor apresenta seus personagens de forma autêntica, sem cobri-los de qualquer tipo de louvor ou virtude moral.

Outra característica presente em A Normalista é o regionalismo, apresentando a cidade de Fortaleza (Ceará) como cenário para o desenrolar do romance. As ações do livro ocorrem, em sua maioria, em locais fechados e simples. O autor descreve com riqueza de detalhes o panorama regional do passado. De acordo com alguns críticos literários, a fixação vigorosa do texto nos caracteres e temperamentos, além da ilustração fiel da vida provinciana, fizeram o livro se sobressair perante outras obras de sua época.

Adolfo Caminha coloca-se em uma posição inovadora na literatura, tendo em mente a obra de ficção como uma forma de preparar os leitores culturalmente e lhes propiciar momentos de prazer. Rompendo com os paradigmas de sua época, apresenta personagens femininos como Lídia, que consegue um lugar na sociedade após o estudo de diversos livros em casa. Contrastando com Lídia, há no romance Maria do Carmo, que foi educada em colégio religioso e não tinha o costume da leitura. Ela acabou se deixando seduzir por seu padrinho. Outro elemento importante é a subversão social da sociedade do Ceará em 1900.

Vista como uma obra de sensualidade acentuada, A Normalista, na época de seu lançamento, apresentou características condizentes com o determinismo. Um exemplo é o personagem João da Mata, que abusa sexualmente de Maria da Mata, sua afilhada. A menina, no início é ingênua e de caráter brando, pois viveu em uma casa de caridade até se tornar normalista. Após sofrer uma série de pressões sexuais opostas à sua vontade, ela acaba desistindo e se submete totalmente às vontades de seu padrinho.

Entre outros aspectos, Adolfo Caminha apresenta um panorama de costumes da sociedade cearense da época. Com foco em Fortaleza, o escritor apresenta características como a sordidez e mesquinhez presentes na vida social da cidade daquele período. De acordo com críticos literários, os conterrâneos do autor o julgaram e criticaram por ter cometido adultério com a esposa de um de seus colegas. Desta forma, o mau humor referente à cidade seria uma forma encontrada para se vingar destas pessoas.

Fontes:
CAMINHA, Adolfo. A normalista. 8. ed. São Paulo : Ática, 1985. (Serie Bom Livro).
http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/resumos_comentarios/a/a_normalista
http://pt.wikipedia.org/wiki/A_Normalista
http://www.biblio.com.br/defaultz.asp?link=http://www.biblio.com.br/conteudo/AdolfoCaminha/anormalista.htm

Arquivado em: Livros